26 de out 2014

3

3
Nome: Eleanor&Park
Autor: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
I.S.B.N: 9788542801255
Páginas: 328

Sinopse: Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

Atribuí: 4

Eleanor&Park de passa em 1986, tem várias referências da tv, cinema, livros e principalmente musicas dos anos 60, 70 e 80. Adoro livros em que a história se passa antes da era tecnológica, sem celular e computador, era tudo muito mais complicado e ao mesmo tempo, simples.
O livro me capturou na primeira página. Não sei como eles conseguiram esse feito, mas fiquei tão curiosa que não conseguia parar.
Logo de cara o que acontece no livro é um falso desinteresse de um personagem pelo outro e a minha vontade de que isso mudasse era tanta que ficava gritando mentalmente “-VAI, FAZ ALGUMA COISA”. Mas o ritmo do livro foi perfeito, mantendo paralelamente o link entre o romance, o bullying e a violência doméstica. Cheguei a imaginar e desejar que alguém o transformasse num filme, queria absorver o máximo possível da essência desse livro e dos dois personagens que, pela primeira vez, eu gostei por igual e não mais de um que de outro.

1

Essa é a minha Blythe, que tem um nome para cada cor de olhos, por conta de suas personalidades multiplas. Essa é a Lily.

A história me fez também entender um pouco sobre violência doméstica, mas a minha opinião não muda, por mais medo e coação que a vítima sofra, ainda sou a favor da denúncia. No caso da mãe de Eleanor, acredito que o problema tenha sido o medo de ficar sozinha, de não conseguir sustentar os filhos ou talvez tenha simplesmente amado demais e cegamente o primeiro cara que lhe deu atenção depois que seu marido a abandonou.

O livro é muito bonito, o design da capa super clean e a diagramação interna muito bem feita, tamanho da fonte e espaçamento muitos bons, deixando a leitura bem leve.

Encontrei alguns errinhos (letras faltando, etc), faltou um pouco de atenção na revisão, mas nada que interferisse na história.

2

Recomendo com vigor o livro, ele é lindo demais para não se ler, não achei meloso, na verdade é bem triste. Se eu tivesse que encolher, o sentimento desse livro seria esperança, a mesma a que Eleanor se agarrou desde o ínicio.

Pretende ler? Já leu? Me conta!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Postado por:
Carla Nascimento

Posts relacionados:

8 comentaram

 
Comentários publicados somente após a aprovação.
  • Maby

    26 de out de 2014

    Ollá Carla ^^
    Esse livro parece ser muito legal, tenho muita vontade de lê-lo \o/
    Parabéns pela sua resenha, ficaste ótima :D

    Beijoxxx.
    http://maria-gabriely.blogspot.com.br/

    Responder

  • Gabi Oliveira

    26 de out de 2014

    Já li esse livro e só tenho uma coisa a dizer: muito amor. Sou apaixonada por essa história, não é a toa que se tornou um dos meus livros favoritos. Não gosto de romances melosos, pensei que esse fosse um, mas não achei. A história desses dois é linda. Linda e um tanto triste. Amei suas fotos! Beijos!

    http://frases-perdidas.blogspot.com.br/.

    Responder

    Carla Nascimento responde:

    dezembro 22nd, 2014

    @Gabi Oliveira, A história é suuper trágica, mas tão profunda <3

  • Thamara Laila

    26 de out de 2014

    Estava sem internet e assim que achei um sinal pensei: preciso entrar no blog da Carla!! Daí entro aqui, e tudo tá mais lindo ainda, como pode?!?! *———————————-* UHUUUUUUUUUUUUUUUUUUL, hahahha!

    Enfim, #meacalmando! Carla, adorei a resenha! Já peguei esse livro para comprar umas três vezes e deixei na prateleira! Não sabia que ele passava antes da tecnologia e tinha esse diálogo para violência doméstica. Fiquei com muita vontade de ler. (mas agora estou vivendo uma relação de muito amor com a Tati, haha).

    Beijos Carla!!

    Responder

    Carla Nascimento responde:

    dezembro 22nd, 2014

    @Thamara Laila, tu é muito amorzinho mesmo, hahahaha. <3
    Tati pega a gente, né? eu compreendo. Mas leia sim ;)

  • Karen Vanessa (@vskaren)

    26 de out de 2014

    Já vi várias blogueiras falando bem desse livro e estou super curiosa pra ler.
    Parece ser ótimoo! :)
    Beijos com carinho! Ka. ♥
    http://www.normalidadeincomum.com.br

    Responder

    Carla Nascimento responde:

    dezembro 22nd, 2014

    @Karen Vanessa (@vskaren), leia sim Karen, é tanto amor que dói.

  • Gabi

    26 de out de 2014

    Carla, é engraçado que eu tenha visto o pessoal falar sobre os erros de correção, e eu mesma não percebi, haha! Será que eu estava TÃO absorvida na história? Achei, digamos, tocante a forma como a autora escreveu sobre o bullying e a violência doméstica, e de verdade, me doía o coração ler essas cenas tristes… Concordo com a palavra para o livro (esperança), e adicionaria simplicidade ou sutileza.
    Beijos.

    Responder

 
ir ao topo