28 de mar 2015
Foto antiga by Juliana Carneiro <3

Foto by Juliana Carneiro <3

Inabilidade de empacotamento

Como já contei nas redes sociais, minha câmera quebrou no dia do encontro da Paula, na verdade a lente quebrou, mas essa é história para outro dia. Entrei em contato com a Samsung e fui lá no correio enviar a câmera para a assistência. Comprei o papel e minha sincera esperança era que alguém no correio me ajudasse ou fizesse por mim, porque sou incapaz de conseguir embrulhar algo de forma descente, sério, eu já tentei. Eu procuro seguir a lógica, mas não fica nada bonito, provavelmente alguma coisa semelhante acontece quando estou cozinhando.

Enfim, no correio a moça me disse que eles não embrulhavam coisas e eu tive que fazer o serviço, levei uns 10 minutos, vejam um pedacinho do vídeo.

Sofri um certo bulling da atendente que não conseguia compreender porque eu estava demorando tando, chegou a sugerir um curso de empacotadora, entre outras coisas. Obrigada moça! ¬¬
zoação no correio.

Enfim, a câmera já chegou na assistência e ficar sem minha câmera me mostrou que realmente a fotografia não era só um hobbie para mim. Eu preciso tirar fotos em minha vida, me sinto profundamente torturada por não ter essa opção.
Tive um semestre de fotografia na faculdade e morro de vontade de fazer mais cursos e especializações, agora que realmente resolvi de TENHO que fazer isso, precisava de uma câmera um pouco mais profissional, portanto, estou procurando (acredito já ter encontrado, mas não vamos contar com o ovo no c* da galinha), aguardem os próximos capítulos.

Incapacidade de parar de assistir coisas ruins!

Não sei se já contei, mas sou a louca das séries, assisto mais do que meu tempo me permite. Tenho orangotag (uma rede social de séries) só para conseguir marcar os episódios que já vi e não confundir/esquecer.
Me falaram de The Following ontem e eu comecei a assistir, e logo no piloto me desapontei com a série. Provavelmente assisti séries policiais boas demais, porque só consigo ver as burrices que eles fazem, os erros desnecessários que levam a história a alguns lugares e os sinais tão óbvios de que algo vai acontecer, me tirando as surpresas. Essa série representa minha incapacidade de parar de assistir coisas ruins, é hipnotizante, no momento, enquanto escrevo esse post estou assistindo o último da primeira temporada.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

27 de mar 2015
 Nome: Cidades de Papel
 Autor: John Green
 Editora: Intrinseca
 ISBN: 978858057374-9
 Páginas: 368

 Sinopse: Quentin Jacobsen tem uma paixão platônica pela magnífica vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman. Até que em um cinco de maio que poderia ter sido outro dia qualquer, ela invade sua vida pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita.

Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola e então descobre que o paradeiro da sempre enigmática Margo é agora um mistério. No entanto, ele logo encontra pistas e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele achava que conhecia.

Atribuí:3 

Demorou mas finalmente me rendi a outro livro do John Green, apesar de não ter gostado muito dos outros dois. Comecei esse livro depois de ter visto o trailer do filme, fiquei bem curiosa e a história não me decepcionou. Perguntei em um grupo do Whatsapp – o do Lente Criativa – e as meninas me disseram que detestaram o final e que preferiam o ‘Quem é você, Alasca’ (para ler a resenha clique aqui), não concordo, realmente gostei desse livro. <3

Esse é o terceiro livro do John Green que leio e consegui ver várias semelhanças entre eles, como as formas que ele encontra de fazer suspense até o final, de explorar a natureza trágica dos personagens e o rush adolescente – a alegria da insensatez.

No livro temos Quentin é um nerd, amante da rotina e centrado pra caramba (como ele mesmo diz, por seus pais serem psicólogos), porém, Margo Roth Spiegelmant por quem é apaixonado desde pequeno acaba virando sua vida para direções que nunca tomaria sozinho.

– De perto tudo é mais feio. – disse ela.

– Não você. – respondi sem pensar.

Margo por sua vez tem uma personalidade épica, faz de cada cena de sua vida marcante, pelo menos isso é a visão que todos, mas com o tempo, conforme as peças vão se juntando e podemos ter uma ideia melhor de como sua mente funciona.

A presença da “Canção de mim mesmo” – de Walt Whitman – tornou o livro bem profundo, são tantas reflexões que comecei a pensar em minha própria vida, o poema tem esse poder, acaba se encaixando em tudo que vivemos e que poderíamos viver e passamos a encarar a tragédia como não uma coisa trágica em si, mas um fato inevitável, que temos de ligar.

[…]

Vadio uma jornada perpétua

Tudo segue e segue sem parar… nada se colapsa,
E morrer é diferente do que se imaginava, bem mais afortunado.

Se ninguém mais no mundo está ciente, fico contente. E se cada um e todos estão cientes, fico contente.

[…] 

Trecho da Canção de mim mesmo.

Realmente recomendo o livro, mas só porque o filme está para sair, mas porque realmente me prendeu, vou confessar e comecei vários livros com esperança de que um me pegasse, esse conseguiu logo nas primeiras páginas. :D

ps: O livro alimentou minha vontade de espalhar mapas cheios de pins pelo quarto.

ps2: Eu li pelo kindle, então não tenho muitas informações quanto a versão impressa, sorry.

ps3: Minha câmera quebrou, por isso dei uma sumida daqui, mas o problema já está sendo resolvido, depois conto para vocês como.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Postado por:
Carla Nascimento

Comente

24 de mar 2015

Faz um tempo que estava querendo fazer essa receita por motivos de NUTELLAA!
Eu nunca havia comido paleta desse sabor. Apesar de ser a sensação do momento, só havia experimentado uma, que era de morango com leite condensado e achei ok, mas a questão aqui é: A Nutella. Como que faz pra resistir qualquer coisa preparada com creme de avelã?

Vamos logo preparar isso porque demora um pouquinho.

Ingrediente usados:

♥ 450g de Iogurte de morango

♥ 140g de Creme de avelã

♥  3 Bananas médias

paleta10

Materiais 

Copinhos plásticos de 50ml e 400ml.

Palitos de madeira

Uma liquidificador e uma geladeira (:D)

paleta9

Modo de preparo

Bata as bananas e o iogurte no liquidificador, até ficar homogêneo.

paleta7

Encha os copos maiores até a metade, não esquecendo de guardar um pouco da mistura para cobrir a paleta depois.

paleta6

Posicione 6 dos copinhos menores bem no centro da mistura e coloque um peso no centro, para que os copinhos não levantem (não usem milho, usem feijão, pelamor), assim teremos espaço para o recheio mais tarde.

paleta5

Leve a geladeira por 2 horas.

Com a mistura congelada, retire os copinhos do centro (cuidado para não perder nenhum pedacinho de plastico no meio da paleta, hahaha).

Preencha o espaço com a Nutella

paleta4

Cubra tudo com o resto da mistura que você separou mais cedo e encaixe os palitos no centro.

paleta3

Leve a geladeira por mais 2 horas.

E TCHARAAM!

paleta2

ps: Escolhi o iogurte de morango por não gostar muito do natural.

ps2: Não rolou foto da paleta aberta por motivos de, comi tudo e não tirei, aproveitem a surpresa, só tenho a dizer que hmmmmmmmmm.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 2 de 71234567
 
ir ao topo