27 de ago 2015

MAOS cópia

Poucos conhecem a arte de imaginar situações que não aconteceram e que talvez não aconteçam, só para pensar em que bom que seria se acontecessem.
Afastar pessoas, fingir odiá-las, chegar a acreditar que odeia. Porque se acreditar que gosta, pode parecer que quer que aquela coisa aconteça. Porque não quero, puff.
Fugir, demonstrar incomodo mesmo pelas coisas que gosta. Vamos embora sem dar tchau, não gosto de pontos finais.
Porque se me conhecerem, podem me acusar de louca, paranoica, rir dos meus dramas, não entender como eu sinto esse amor estranho até por quem não conheço. Que na verdade eu ligo até demais para aquilo que trinquei o dentes e fingi não ligar.
Podem descobrir como eu me desmonto e como esse escudo de grosseria e alívio cômico que uso, cai fácil com um abraço. Porque eu não preciso de você, eu não quero precisar. Mesmo sabendo que com você talvez as coisas ficariam melhores.

Todos os meus pedaços estão amarrados, me fazendo quase inteira. E não sei se eu te emprestando um pedaço meu, ele voltaria da mesma forma para mim, quando você resolvesse devolvesse, se é que devolveria.

Mil conclusões podem ser tiradas a partir disso, o que só deixa mais claro que não há uma conclusão. Não sou eu quem concluo, estou ocupada levantando meu muro de tijolinhos indecisos.

To com fome. O que você vai pedir?

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

 
Comentários publicados somente após a aprovação.
  • Camila Santa Rosa

    27 de ago de 2015

    Eu vou pedir mais posts assim!

    Gosto e procuro muito posts assim, e fico triste. Triste porque acho poucos. Triste porque poucos comentam. Fico chateada quando sei que leram, mas não comentaram posts dessa natureza, então, por favor, escreva mais. <3

    Responder

 
ir ao topo