09 de abr 2016

Bem vindos ao meu guia de “Como é que ilustra?”
Vocês vivem me pedindo/perguntando como é que ilustra, por onde começa, o que que faz, então vou falar do meu ponto de vista. Já aviso que ninguém vai sair daqui o melhor ilustrador do mundo, é só o básico, pra quem tem curiosidade, quer começar e não faz ideia de como os ilustradores fazer.

ilus

É importante começar no papel, treinar treinar e treinar, usar referencias e estudar proporções, linhas, luzes e sombras. Ainda que ninguém seja obrigado a seguir um estilo, pois cada um tem o seu traço e até que ele seja desenvolvido com naturalidade, deve-se estudar as proporções básicas, é preciso haver uma construção para depois lapidarmos, desconstruirmos. Ninguém vai pegar na tua mão e te ensinar a fazer ou passar por osmose, é seu esforço, você por você mesmo, vamos lá!

Eu desenhei desde pequena, como qualquer criança, sem saber mesmo, por diversão, não tinha internet, as referências eram livros e a vida real, recebi dicas de pessoas para quem perguntei e muitas criticas de pessoas que não sabiam do que estavam falando, tem um post sobre minha história no desenho aqui. Só fui fazer um curso (um ano, até curto) depois que comecei a trabalhar em um lugar onde haviam ilustradores.

Quando eu comecei, eu usava o mouse – eu não tinha a tablet e na empresa não me deixaram usar por um bom tempo. A tablet é uma mesa digitalizadora que junto com a caneta facilita nossa vida na hora de ilustrar, faz TODA A DIFERENÇA. Ela te dá mais controle para traços, pintura e tudo o mais e também toma o lugar do mouse (o que também agiliza).

Mas não se engane, não é a mesma coisa que desenhar no papel, tem que treinar muito para pegar prática e se acostumar com uma. Fazer dela realmente uma extensão do seu braço, como o lápis no papel.

Onde se ilustra?

Há vários programas em que é possível ilustrar, os que uso são Photoshop e Illustrator, mas não podemos esquecer do Corel Draw (querido por muitos designers gráficos), Paint tool sai (onde pretendo aprender em seguida), etc (porque não lembro mais nenhum, me lembrem migas ilustradoras).
Eu utilizo a tablet para ilustrar no photoshop, principalmente por que gosto de pintura digital, traços mais naturais e a possibilidade de criar camadas, apagá-las, trocá-las de lugar, facilita minha vida. Para o illustrator, muitas vezes prefiro até usar o mouse, para fazer pontos.

Aliás, essa é a principal diferença entre os dois programas da Adobe, enquanto o photoshop, que era um programa mais visado por fotógrafos e é usado para imagens (em pixels, apesar de também ter como fazer vetor nela, porém infinitamente mais pesados), o Illustrator trabalha com vetor, que é criado em pontos vetoriais e considerado melhor para impressões.

Precisa de curso? Faculdade?

Não necessariamente, hoje em dia com a internet, o céu (ou o inferno) é o limite, se você for disciplinado, pode aprender muita coisa sozinho. Mas é sempre bom fazer cursos, porque você tem contato com pessoas mais experientes que você, que podem te explicar direito e te dizer se você está fazendo certo ou não, coisa que no começo não temos tanta noção, além de conhecer outras pessoas que também estão começando (ou não) e trocar figurinhas.

Como se desenha dentro do Photoshop?

Abrindo um arquivo novo, usando o pincel e selecionando os próprios brushs, já presentes no programa. Por vezes crio novos ou baixo alguns disponíveis online. Dependendo da técnica, outros resources como texturas, padrões e estilos podem ser usados.

Qual meu traço?

Seu traço é a sua identidade, logo de cara não sabemos como ele é e ficamos muito tempo tentando descobrir, tentar vários estilos e ver a qual você se adapta melhor, por vezes ajuda.

Entre os estilos estão: Mangá, cartoon adulto, cartoon infantil, realista, hiper realista, caricatura, charge, entre outros que variam de área, técnica utilizada, escola, etc. Não tem um prazo para você descobrir seu traço, se você e outras pessoas conseguem notar as mesmas características na maioria dos seus desenhos, provavelmente é um indicio de que seu traço está por ali e tu ainda não notou.

Quanto tempo demora pra aprender a ilustrar?

Olha, depende, se você brincou bastante de desenhar quando criança, se treinou bastante no computador depois, se você é um bom observador, sua persistência e dedicação, ao contrário do que muitos pensam, falta de talento não é desculpa para ninguém deixar de fazer nada. São habilidades que se desenvolvem.

Quanto ao sentido literal, depende da ilustração, leva horas e horas, mas por vezes durante o processo de produção é preciso haver pausas para planejamento, pesquisa, sketchs (rabiscos), um todinho, hahaha, como eu faço semppre, varia com a complexidade.

Quando posso começar a vender?

As vezes tenho a impressão de que as pessoas acham que é festa, hahaha, ocorre um equivoco aqui assim como na fotografia e nos blogs, algumas pessoas vêem como um dinheiro que vem fácil ou sem esforço. Você tem que ser honesto, não tem um tempo certo para começar a vender, vai da demanda e da sua consciência, eu te aconselho a pensar:

  • Você compraria aquilo que está desejando vender?
  • O que você fez tem qualidade o bastante para ser vendido?
  • Sua consciência está tranquila, você fez o melhor que podia?
  • O valor cobrado está de acordo com as técnicas, tempo e estudos aplicados?

Para mim demorou para responder todas as perguntas com o sim, as vezes fico pendurada no “você fez o melhor que podia”, porque sempre podemos melhorar.

Se cansou antes mesmo de começar, pode encomendar comigo, hahaha, espero que o post tenha ajudado vocês, se tiverem mais alguma pergunta, deixe nos comentários que respondo. :D

Adendo 1: Quer saber quanto cobrar? aqui

Adendo 2: Não se engane, se você usa o illustrator para “criar ilustras” por cima de outras que pegou do google ou bancos de imagem, você não é ilustrador, é uma forma de plágio, não seja essa pessoa, pra treinar tudo bem, mas vender, dar de presente, é triste e criminoso.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

07 de abr 2016

Se inscreva no canal para não perder nenhum vídeo! <3

 

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

05 de abr 2016

Oi, pessoal!

Ainda tô na vibe histórica devido a toda polêmica política dos últimos tempos, portanto vamos para mais aulas de história por aqui! Dessa vez, selecionei alguns filmes sobre a Guerra Fria, que para aqueles que não lembram, foi o período que o mundo se dividiu entre capitalismo e socialismo. O marco dessa divisão é o muro de Berlim, que separava a Alemanha capitalista e a Alemanha socialista. Fria, vale lembrar, significa que foi uma divisão ideológica, política, e que não teve guerra nuclear envolvida, que aí seria quente, entenderam, entenderam? Vamos à lista!

Adeus, Lênin

Talvez o mais famoso dessa lista seja o alemão Adeus, Lênin, de 2002. Momentos antes da queda do muro de Berlim em 1989, a mãe de Alexander fica desacordada e acorda quando a Berlim Oriental se tornou capitalista. Como a saúde de sua mãe ainda está danificada, Alexander faz de tudo para sua mãe não perceber as mudanças, isso significa alterar os programas de TV, os produtos que ela consome, já que a bebida que ela gostava não vende mais. É um filme emocionante e bem didático.

Rocky IV

A história de Rocky vocês sabem, um boxeador que nos ensina sobre perseverança. Em Rocky IV, de 1985, sua luta final é contra um lutador russo. Percebam o ano do filme, produzido em plena guerra fria, a alusão é clara. Rocky vai até a União Soviética para a luta e nós sabemos quem ganha, né?

A vida dos outros

Outro filme alemão, A vida dos outros, de 2007, retrata a história de um homem vigia 24 horas por dia o maior dramaturgo da Alemanha oriental a pedidos do atual ministro. Até aí não tem problemas, mas confirme o tempo passa, vigiar se torna algo muito pessoal, já que você descobre as intimidades da pessoa, o que dificulta na hora de julgar posicionamentos alheios. O filme é sensível e põe em pauta até onde o nosso trabalho é mais importante que nossas próprias ideologias.

Dr. Fantástico

Filme do meu favoritinho Stanley Kubrick, Dr. Fantástico, de 1964, ironiza um pouco a paranoia das pessoas na Guerra Fria. No filme, um general americano desconfia que os soviéticos estão sabotando os EUA, então ele inicia um ataque a URSS. O desespero acontece porque se os mísseis realmente atingirem o seu algo, o mundo vai entrar em uma guerra maior que a anterior (IIGM), então os comandantes fazem de tudo para acalmar os russos. O filme é uma delícia de assistir, com ênfase no próprio Dr. Fantástico. Um dos meus filmes favoritos do Kubrick, assistam!

O espião que sabia demais

O espião que sabia demais, de 2012, se passa em 1973 e foca em um veterano de um serviço secreto da Inglaterra que recebe a missão de descobrir a identidade de um agente duplo dos soviéticos. O problema, claro, é que todos ao seu redor são espiões, ou seja, todos parecem suspeitos. O filme é tenso e cheio de plot twists, para quem gosta desses filmes de intriga e de desvendar mistérios, confiram esse também.

O filme mais recente sobre a Guerra Fria é Ponte de Espiões, mas não o coloquei na lista por ele já estar no meu post do Oscar, então quem perdeu e quiser conferir, clique aqui. É isso aí, pessoal! Até a próxima!

Beijos!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 4 de 512345
 
ir ao topo