20 de dez 2016

Cheguei para contar minha saga de uma semana, hahaha, tentando mudar a cor do cabelo.
Tudo começou no mesmo ano em que o blog, 2012, quando resolvi pintar as pontas dos meus cabelos de azul, na época eu fazia química no cabelo e bom, tem post aqui no blog mostrando o primeiro produto que usei para pintar os cabelos (Aqui). Como não podia descolorir muito e talvez por causa do calor da chapinha, o tonalizante durava beem pouco nos meus cabelos, no máximo duas semanas.

Quando iniciei a transição capilar, comecei a lavar meu cabelo bem mais, porque não fazia mais chapinha e tinha de texturizar os cabelos sempre, portanto troquei o tonalizante, por uma tinta mais durável, também tem resenha no blog (Aqui).

Eis que veio o big chop e perdi meus coloridos, tive que cortar toda a parte verde turquesa, mas não aguentei e um mês depois fiz algumas mechas, usando a mesma tinta. Depois disso fiz mais mechas ainda e mudei de verde para azul (do ice green para ice blue). Até ai tudo bem, porque mesmo lavando o cabelo várias vezes por semana, a tinta não desbotava por meses e meses, mas o problema é quando você resolve mudar a cor do cabelo completamente.

A Keraton lançou a nova linha Nude de tonalizantes banho de brilho e a cor Loiro Rose se mostrou ser tudo que mais queria nos meus cabelos, hahaha. Como sou muito ansiosa, queria para ontem, cheguei em casa depois do encontro para blogueiras em que nos apresentaram os produtos, já bolando uma forma de deixar meu cabelo naquele tom.

O problema é que atualmente meu cabelo estava azul, recém tonalizado – com um tonalizante da alphaline alias, o que usei no vídeo abaixo, como na foto abaixo:

Meu primeiro passo foi fazer uma shampoozada para remover a tinta e clarear um pouco mais os cabelos, não era a opção que menos danificava os fios, mas não danificava tanto quanto uma descoloração real.

Os cabelos realmente clarearam, metade da tinta saiu, mas o cabelo ficou super verde, um tom bem feio. Foi então que entrei em pânico, porque precisava sair de casa e fiz a besteira de passar um tonalizante turquesa, que intensificou o tom de verde em algumas partes e deixou outras mega estranhas por não estarem muito claras, detestei.

Então segui para o próximo plano, aproveitando que iria ficar uns dias em casa. Comprei dekap color e apliquei nos cabelos para remover o máximo de tinta possível. Eu achava que as pessoas estavam exagerando quando diziam que o cheiro era ruim, minha nossa, realmente parece esgoto. </3

Enfim, depois que enxaguei o cabelo, fiz uma hidratação de meia hora e deixei o cabelo descansar para o próximo dia.
O dekap tirou bastante da tinta, mas não tudo, boa parte continuou verde, mas ficou bem mais desbotado. Descolori algumas mechas do cabelo que ainda estavam virgens. Hidratei novamente, lavei o cabelo com shampoo e hidratei misturando a mascara de hidratação com violeta genciana para tirar o amarelado do cabelo e neutralizar um pouco o verde.

Como já estava exausta, fiz só o básico, com o cabelo já seco, apliquei o tonalizante mecha a mecha, em toda a parte que havia sido descolorida (inclusive onde estava verde).

Tudo que estava verde ficou roxo e o que descolori no dia, rosa. ♥

Vou deixar aqui os dois vídeos a respeito de cabelo colorido, um mostrando como pinto e outro respondendo as perguntas dos seguidores:

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

19 de dez 2016

sdfghj-3

Manter os cabelos cacheados sempre lindos e impecáveis requer uma série de cuidados diários. A cada dia que passa mais e mais mulheres dizem adeus à chapinha e alisamentos químicos para assumir os cachos. A valorização da beleza natural está em alta, respeitando a diversidade, beleza e escolhas de cada uma.

Atualmente, quem tem cabelos cacheados encontra muitos produtos voltados especialmente para esse tipo de fio, ainda bem. Mas, para conseguir cachos definidos (para quem não curte muito o frizz) e hidratados é preciso abandonar maus hábitos e implementar novos procedimentos na hora de cuidá-los.

Estrutura dos cachos inspiram cuidados especiais no dia a dia

Nem ondulado, nem crespo: o cabelo cacheado se encontra em um meio-termo entre ambos. Cachos e ondas de todos os tamanhos, em espirais bem definidos ou não, não recebem oleosidade natural o suficiente do couro cabeludo. Consequentemente, esse tipo de fio é mais sensível e frágil, com tendência ao frizz e ao ressecamento.

Para deixar os caracóis dos seus cabelos sempre macios e brilhantes, podemos adicionar produtos como finalizadores, leave in, cremes para pentear e óleos nutritivos na rotina de beleza, que ajudam a manter os cachos resistentes e brilhantes. Além disso, coisinhas simples adotadas no dia a dia ajudam na manutenção de cachos fortes e bem hidratados. Confira os erros mais comuns no cuidado diário e como evitá-los!

4 maus hábitos que detonam cabelos cacheados

  • Lavar os cabelo diariamente

Quando lavamos o cabelo com shampoo, certas substâncias presentes na composição do produto (sulfatos, petrolatos e corantes) podem causar ressecamento dos fios. Por isso, o ideal é alternar as lavagens, a fim de preservar a distribuição da película protetora natural por todo o fio. Um tendência cada vez maior entre as cacheadas são as técnicas no/low poo, que consiste na abolição total do produto ou no uso mínimo.

  • Deixar a hidratação de lado

Como o cabelo cacheado resseca com facilidade, não hidratá-lo profundamente deixa os fios opacos, arrepiados e com frizz. Isso acontece porque na maioria das vezes, o tratamento é apenas para disfarçar pontas indisciplinadas e acaba não nutrindo completamente os cachos. Tire um tempinho e faça um hidratação profunda ao menos uma vez por semana.

  • Não cortar as pontas

Se você está deixando o cabelo crescer, não deixe de aparar as pontas a cada dois meses. O corte pode ser imperceptível, mas remove grande parte de fios ressecados e pontas duplas, deixando o cabelo fortalecido e sedoso.

  •  Pentear a seco

Para não desfazer as voltas dos fios e mantê-los sempre alinhados, utilize um umidificador antes de pentear os cachos. O ideal é desembaraçar os fios debaixo do chuveiro, com um pente de dentes largos anti estático.

Esse post foi patrocinado pela Emporio Charme, as opiniões expressas foram sinceras e o conteúdo informativo foi considerado de interesse geral.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

16 de dez 2016

Sabe aquela série que parece te dar um tapa na cara enquanto você assiste, que te deixa pensando por dias, tentando compreender direito o que diabos aconteceu ali e como aquilo se aplica na sua vida?
O titulo desse post poderia ser “Séries disruptivas”.

Todos os anos alguma tendência aparece e todas as super produções do ano meio que se inspiram nela, tivemos os vampiros, os filmes de fim do mundo (2012 feeling’s), anjos, atividades paranormais, soft porn (50 tons e semelhantes), entre outras. A tendência agora são as séries mega malucas e diferentonas que fazem a gente pensar, além de finalmente termos entrado do território das dimensões alternativas.

Vou dar meu breve ponto de vista sobre cada uma das séries e deixar os trailers, para que vocês decidam por si só se querem assistir.

The OA

Essa série lançou hoje no Netflix e eu já estava esperando por ela, desde o trailer fiquei intrigada e nesse momento, enquanto escrevo esse post, estou maratonando. A história começa com uma moça pulando de uma ponte, ela sobrevive e é descoberto que ela era uma moça que havia desaparecido a 7 anos. Nem sei ao certo explicar sobre o que é essa série, recomendo assistir sem saber nada sobre, não consigo parar de me surpreender.

Black Mirror

Essa série na verdade não começou em 2016, mas se tornou hipe esse ano, tanto que a expressão “isso é tão Black Mirror” não para de ser repretida. Cada episódio tem uma temática, personagens diferentes e problematizações sobre tecnologia, o presente o futuro.

Stranger Things

Outro hipe desse ano, foi Stranger Things, e já falei a respeito em vídeo no canal, que as outras dimensões acabariam trazendo mais séries do tipo.
Stranger Things conta a história do desaparecimento de Will e da busca de seus amigos por ele, claro que isso é o básico e tem muito mais por trás disso. A ambientação aos anos 80 é fantástica e os atores sensacionais. ♥

Westworld

Ainda estou no começo de Westworld, tentando compreender do que se trata, mas é tão disruptiva quando Black Mirror. Resumindo um parque de temático para adultos, que aparenta ser extremamente real, com pessoas que sangram, sentem, morrem e são reformadas, mas vai tão além disso que ainda estou tentando entender.

Mr. Robot

Ainda não assisti essa série, ela também não começou em 2016, mas tem o mesmo perfil subversivo, fiquem com o trailer, um dia volto para falar mais sobre ela, também foi destaque esse ano.

Ps: Provavelmente serei obrigada a fazer um post ou vídeo sobre The OA, porque tem coisa demais nessa série, meu Deus.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 2 de 512345
 
ir ao topo