23 de mar 2017

Hello guys, how are you doing?

Não, não tão no site errado não, ainda estamos aqui nessa coisa maravilhosa! E SIM, hoje falaremos um pouco sobre como treinar esse seu Inglêzinho! Vocês fazem curso de inglês? Aprenderam sozinhos? “Nossa Sue, mas dá pra aprender sozinho? SIM, MUITA COISA!

“Mas tá muito difícil!”

As pessoas tem o costume de achar que aprender inglês é só pagar um curso, mas tem muito mais envolvido. Mesmo quando você faz curso – o que vale muito a pena! – você ainda precisa cuidar do seu self learning, que é a prática de aprender sozinho. Por isso, antes de começar qualquer coisa, um aviso importante: NÃO DESISTA FÁCIL.

Se você ainda está num nível básico e quiser tentar, TENTE! Uma boa sugestão é pegar aquele livro que você já leu 500 vezes e ler ele em inglês. Você já vai saber 80% do que tá acontecendo ali, e só associar na sua cabeça as ideias, só que agora em outra língua.

Se você já está num nível intermediário ou avançado, ótimo! Ler vai ser uma coisa muito legal, mas só se você sentir que não deve depender de tradução!

“Como assim não é pra traduzir?”

Ao invés de ler traduzindo (o que obviamente vai levar mais tempo do que deveria), é sempre bom imaginar a cena que tá rolando, igualzinho com um livro em português! Saiba que vão surgir palavras que você nunca viu na vida, é normal! Ao invés de procurar traduzir essas palavras, tente entendê-las pelo contexto.

Por exemplo:

“I know you didn’t like me as much I liked you. I know you would rather been with him, and I dealt with that a long time ago. I’m over it.”
Anna and the French Kiss, Stephanie Perkins

Preste atenção na parte em negrito. Pode ser que você não faça ideia do que essa frase significa, pois trata-se de algo que você só aprende nos livros avançados. Porém perceba o contexto! A pessoa está comparando um personagem com o outro. Pensando nisso, não dá a impressão que esse “you would rather been with him” é a preferência de com quem a pessoa está dialogando?

Nisso você não precisou de tradução e nem de dicionário e nem de nada. A dedução vai ser uma importante arma, principalmente em estruturas gramaticais. E, se você preferir, você pode colocar um post-it pra pesquisar sobre aquela estrutura mais tarde e estudá-la! Viu que bonitinho e fácil? Não tem erro!

O mesmo se dá com palavras. Tente entendê-las, mesmo se não estiver certo do que está lendo. E aí marque a palavra pra depois pesquisá-la em um dicionário de definição.

Com qual livro devo começar?

Os livros mais tranquilos de se ler em uma língua estrangeira são aqueles que tem adolescentes como protagonistas. Esse tipo de livro é geralmente ambientado na escola ou na casa do protagonista, o que indica vocabulário tranquilo de lembrar e, caso necessário, deduzir.

Os diálogos também são, em sua grande maioria, informais. Portanto, as frases são estruturadas de maneiras simples.

E, por fim, eles usam muitas gírias! Isso pode ser útil – e muito! – pro seu desenvolvimento linguístico.

Uma ferramenta amor!

Depois que eu descobri o Kindle minha vida mudou. Eu lia muito em inglês, mas era muito dependente de post-it pra ir lembrando as palavras que aprendi.

O Kindle tem uma função que te dá a definição das palavras, chamado Dicas de Vocabulário, então a leitura fica mais dinâmica e certa.

Além disso, você tem um dicionário de definição ali na mão, só apertar a palavra que ela fica em negrito e você já pode ser feliz. :)


E, tratando-se de loja virtual, os livros em inglês são sempre mais baratos do que a versão traduzida. Tipo muito mais baratos! Tipo uns 20 reais mais baratos, dependendo do livro claro!

Mas se ainda preferir a versão física, as coisas ficam ao contrário. Ainda assim, vale a pena pagar um pouquinho mais caro na versão em inglês! Em livrarias grandes, como Saraiva Mega Store e Livraria Cultura, você pode achar vários títulos legais.

Nota da Carla:
Oi gente, invadi o post para fazer uma sugestão ótima envolvendo livros e inglês. Uma coisa que me ajudou muito foram os audiobooks em inglês, para melhorar o listening, comecei a ouvir os livros que já havia lido, acabei viciando e passei para séries inteiras (como Harry Potter, Divergente, Jogos Vorazes e Vampire Academy). Dessa forma, quando estou lendo algo em inglês, se não entendo a palavra ou expressão, leio ela em voz alta e pela sonoridade lembro seu significado. Beijo beijo.

Se  joga!

Migxs, o negócio é meter a cara e não ter medo não! Você pode até combinar com seus amigos e montar um clube do livro, onde cada um contribui com um título e depois vocês brincam de ensinar um ao outro tudo o que aprenderam.

E vai ter muito a aprender! Só não ter medo e seguir seu coraçãozinho, sempre.

Se você gostou desse post e quiser algumas indicações de o que ler em inglês, só deixar aqui nos comentários! :)

Um peixo no core,

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

22 de mar 2017

Por um tempo fugi no clean, me enxergava nas cores e não entendia as cores claras, sóbrias, até as julgava como uma certa ausência de personalidade em ambientes. Até que recentemente minha cabeça deu uma sacodida e tudo mudou. A partir dai, não conseguia mais tolerar as cores fortes no meu quarto, acabei tirando tudo.
Vou mostrar para vocês minhas inspirações da vez no Pinterest e deixar no final do post o vídeo para que vejam como ficou. <3.

Preto e branco

Reprodução: Pinterest

Reprodução: Pinterest

Sempre achei muito clique ambientes em preto e branco, sejam quartos, salas, cozinhas. Sempre quis fazer algo do tipo. Só de pintar as molduras de quadros e espelhos de preto faz uma super diferença.

Mantas – Pelo e crochê

Reprodução: Pinterest

Reprodução: Pinterest

Acho essas mantas um charme, dá para colocar na cama, no sofá e não há decoração melhor do que a que vocês pode se esquentar com ela. <3

Rose gold e rosa claro

Reprodução: Pinterest

Reprodução: Pinterest

Como já havia pintado tudo de dourado aqui no quarto, acabei não deixando as coisas rose gold, mas amo tanto a tom que estou dando um jeito de usar o rose em tecido.

Caixotes como criado mudo

Reprodução: Pinterest

Reprodução: Pinterest

Aproveitei os caixotes que já tinha para fazer um criado mudo. Por conta deles quase fiz um cama de pallets, hahaha, as fotos são muito inspiradoras. <3


Meu álbum com muitos ambientes cleans legais: aqui.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

21 de mar 2017

Iron Fist (no Brasil, Punho de Ferro), estreou na sexta-feita (dia 17) na Netflix e eu já maratonei a serie para contar pra vocês tudo que achei sobre ela. Mentira, eu sou viciada em Marvel e iria assistir de qualquer forma mesmo, só to usando isso como desculpa.

Na série vamos conhecer Daniel Rand, o herdeiro da fortuna das Indústrias Rayne, que após um acidente de avião no Himalaia, que matou seus pais, Wendell e Heather Rand, foi dado como morto por 15 anos. Mas Danny foi salvo e viveu todo esse tempo na cidade mística de K’un-Lun, uma das Sete Capitais do Céu. Lá, Danny aprendeu a canalizar o seu chi e se tornou o Punho de Ferro.  A série começa com a sua volta a Nova York para recuperar a empresa do seu pai, a dificuldade em provar quem ele realmente é, e a missão de derrotar o inimigo declarado do Punho de Ferro, o Tentáculo.

Para quem não conhece nada do universo Marvel, e eu não estou me referindo as HQs (não vou comparar série e HQ), mas sim as séries e filmes, pode perder bastante referencias, principalmente a Demolidor e Jessica Jones, e essa foi uma das coisas mais legais de Punho de Ferro, a quantidade de referencias que a série fez aos outros “heróis”, que junto com ele, formaram os Defensores, pois só me deixou ainda mais ansiosa para ver todos juntos.

collen punho de ferro

Punho de Ferro não foi a melhor série da Marvel, ela com certeza tem alguns pontos positivos, como por exemplo a personagem Colleen Wing, que com certeza foi o melhor acerto da série com relação aos personagens. É uma personagem feminina forte, uma lutadora incrível e uma personagem muito bem construída quando o assunto é rumo, proposito e carga emocional. Com relação as outras atuações considero todas bastante medianas, inclusive a do Finn Jones, que interpretou o Punho de Ferro.

Com relação ao lado mistico, principalmente os poderes, vamos ver poucas coisas, mas esse é o proposito da série, não ser uma série sobre a origem. O que vamos ver é uma rápida explicação do que é o poder do punho de ferro, algumas poucas cenas do Danny descobrindo algo novo no seu poder e alguns flashbacks (mais no final da série) que mostram K’un-Lun. No geral eu considero que isso foi um ponto positivo, pois a série já teve um pouco de dificuldade de se desenrolar, se tivesse tentando abranger, também, muitas questões de origem do personagem ou dos seus poderes, isso teria sido bem pior.

punho de ferro lutando

As cenas de lutas seguiram um pouco abaixo das outras séries da Marvel também. E quando tivemos uma boa cena, acabou sendo um pouco que “mais do mesmo” do que já vi, principalmente, em Demolidor.

Depois de tudo isso você deve estar se perguntando se vale a pena ver a série, e sim, com todos os seus defeitos com certeza vale a pena maratonar a série principalmente por duas razões: Se você planeja assistir Os Defensores e se você vem acompanhando as outras séries da Netflix em parceria com a Marvel e ficou curioso para ver um pouco mais sobre o Tentáculo nas telas. Agora se você não curtiu muito as outras que a Marvel já lançou, talvez essa também não vá te agradar, pois entre elas, essa não é a melhor.

E ai, vai assistir ou já assistiu? Me conta lá nos comentários. xoxo :*

Crédito: O site Adoro Cinema foi usado para ajudar na composição da sinopse. 

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 1 de 41234
 
ir ao topo