26 de abr 2020

Tem sido cada dia mais difícil conviver com a incerteza, ou melhor, conviver com a certeza do incerto. Nada de tranquilizador pode vir de uma certeza.

É o silencio antes da catástrofe, aquela pausa pra se pensar que está quieto demais.

Há muitos anos os pensamentos já não me invadiam antes do sono, não havia tempo a ser gasto com isso. Dormir era uma transação que precisava ser efetuada pra manter o funcionamento da firma, rolar na cama não cabia.

São 4 da manhã e parece corriqueiro estar escrevendo um texto e pensando se alguém se preocupará em lê-lo.
Quando todos os dias se tornaram Sábado, as datas perderam o sentido, sendo lembradas apenas para lamentar um boleto ou aniversário à não ser comemorado. Me pego começando a duvidar se aqueles de quem discordo não estão certos, se o que vai nos restar será o bastante.
Hoje me perguntaram se eu gosto de quem eu sou, respondi que sim, mas que gostaria de ter feito mais coisas. Quase que imediatamente percebi que tendo feito mais, feito outras coisas, também seria outra pessoa, meu molde já seria outro. E já não tenho como saber se gostaria desse eu.

Buscamos em testes e mapas, migalhas de pão que nos digam o caminho de onde viemos, pra pensar então qual direção devemos tomar, esses por sua vez foram desenhados por babuínos cegos loucos de ácido ou impressos em borra de chá, mas a sugestão do acaso ainda é mais reconfortante do que a decisão crua de nossas mentes.
O que eu faço? Devo? Qual o risco? Vale a pena?
Silêncio

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

 
Comentários publicados somente após a aprovação.

 
ir ao topo