08 de jan 2014

Finalmente li Jogos Vorazes. Provavelmente foi uma coisa boa eu ter demorado, a moda “passou” e eu tive mais chance de tirar minhas próprias conclusões sobre a série, sem um monte de gente opinando.

Adiei ao máximo ver o filme, assim que saiu eu disse que iria ler os livros antes. Baixei os pdfs, mas nunca cheguei a sair das primeiras páginas, por fim, vencida pelo cansaço resolvi assistir.
A princípio não estava muito animada, mas quando me dei conta, estava me retorcendo de ansiedade no sofá, com o coração acelerado. Busquei loucamente o segundo na internet e assisti em seguida. Não foi o suficiente e depois de 4 dias eu já tinha devorado os 3 livros.
Posso dizer que dentre tantos livros favoritos lidos, nunca me identifiquei tanto com uma personagem quanto com a Katniss e que provavelmente, mesmo nas decisões ruins, teria sido exatamente o que eu teria pensado ou feito.
A revolução e a injustiça com o povo nos faz lembrar da realidade que vivemos, mesmo que na vida real as coisas não sejam tão severas. Alguns amigos reclamaram bastante do livro três, a unica impressão que eu tive a respeito dele é que parecia mais longo que os outros, mas o grau de ansiedade em que me encontrava quando li pode ter influenciado, já quero reler.
Se você como eu está enrolando para ler ou em dúvida, super recomendo.ps: Prometo que o próximo livro que eu ler faço uma resenha.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Postado por:
Carla Nascimento

4 comentaram

12 de dez 2013

Vi no Vlog da Lully e decidi fazer o mesmo.

A idéia é indicar 9 livros de acordo com 9 emoções. Enfim, percorri meu Skoob para lembrar de todos os livros e acabei em algumas situações escolhendo séries, enfim, vamos lá.

Alegria – Série A mediadora 

Desde a primeira página eu me identifiquei muito com a Suzannah, e nossa, ri e me apeguei muito a ela ao longo da série, como se ela fosse uma das minhas melhores amigas, um dia lerei novamente.

Tristeza – A menina que roubava livros 

A própria narradora, a morte, trás um charme trágico a história e gera uma ansiedade, afinal, aonde poderia chegar uma história contada pela morte em plena Alemanha nazista?
Eu chorei muito no fim desse livro, mas mesmo assim recomendo que vocês leiam.

Angústia – Anjos e Demônios 

Esse livro me provocou um desespero muito grande, não lembro quanto tempo eu demorei a ler, mas não foi muito. Por causa dos ambigramas e a morte dos cardeais, eu não consegui dormir sem antes terminar.

Apego – Série Harry Potter 

Harry Potter é o livro da minha vida, a quantidade de vezes que li cada livro é incontável. Não posso dizer que ficamos órfãos com o “fim” da série, pois pelo menos, para mim, o mundo que J.K. criou nunca terá fim.

Nostalgia – A droga da Obediência  (Série os caras)

 

Alguém aí lembra dos Karas? Por causa deles eu tentei decorar o código do exercito, o morse e tramei clubinhos e esconderijos secretos com minhas amigas.

Raiva – Série House of Night 

Porque a Zoey tem que ser tão vagabunda? Tantos caras legais na vida dela e ela só passa por cima e magoa todos eles, pedindo novas chances e caindo de novo e de novo. A Stevie Rae também me fez passar muita raiva com sua ingenuidade e gosto estranho, de forma que minha personagem favorita acabou sendo a Aphrodite. Quem me vê falando assim acha até que não gosto do livro, mas não se engane. A história realmente me prendeu, não terminei de ler, parei em Burned, mas pretendo terminar um dia.
Ps: O livro me deixou viciada na trilha sonora de Memórias de Uma Gueixa.

Indiferença – Brida 

Eu tentei, juro que tentei me interessar por Brida, terminei de ler com muito esforço achando que seria tão bom quanto o Alquimista, mas não.

Compaixão – Wake (Fade, gone) 

A história de Janie é realmente dolorida, ela esta sozinha para cuidar de si mesma, mãe bêbada e ainda por cima começa a ficar presa nos sonhos dos outros. Sem saber direito quem é e com as coisas dando cada dia mais errado a vontade que se tem é de dar um abraço nela e dizer que vai ficar tudo bem, mesmo que não seja verdade. Eu me identifiquei com a solidão de Janie, ainda que minha vida seja muito mais fácil do que a dela.

Reflexão – O segredo do anel 

O segredo do anel me trouxe uma reflexão de vida, e me fez desacreditar ainda mais em minhas crenças, que já não eram lá essas coisas. Toda a minha família é da religião católica, e depois de um tempo estudando as coisas percebi que não era aquilo que realmente acreditava. Acabei achando o segredo do anel mais crível que a bíblia e se uma obra de ficção teve esse poder imagine com informações que poderiam realmente ser confirmadas. Enfim, esse livro foi o início do meu “ateísmo”.

Espero que tenham gostado e não vou indicar ninguém mas quem gostou pode seguir a tag :)

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

30 de out 2013

Eu pretendia ter feito mais posts de terror, mas infelizmente não pude. Então farei esse as pressas.

Há quem não considere o tema zumbis como terror e mesmo quem hoje em dia sonhe com um apocalipse. Isso devido ao grande número de séries, jogos, filmes e livros criados.
Assim como os vampiros, os zumbis foram popularizados, porém, a constante comparação com nossa realidade atual e a forma com que o “futuro apocalipse zumbi” é apresentado, nos faz questionar se o rumo que estamos tomando não seria o mesmo.
O Protocolo Bluehand – Zumbis

 

Estava louca por esse livro desde que fiquei sabendo do mesmo (ano passado), adiei por um tempo esperando que barateasse e acabei por comprar agora.
O Bluehand é um guia de sobrevivência contra zumbis, escrito pelos brasileiros Fábio Yabu, Alexandre Otoni e Deive Passos (A galera do jovem nerd que antes disso que também lançou o Protocolo Bluehand : Alienígenas e outros dois livros que podem ser encontrados na Nerdstore) e ilustrado pelo Márcio L. Castro.
O protocolo nos apresenta várias formas possíveis de contágio, e explica de onde o vírus poderia ter surgido. O livro trabalha a ideia de que o apocalipse zumbi já está rolando por debaixo dos panos e os governos abafam as notícias para não gerar o pânico e situações de estresse que podem levar a um surto.
Como não terminei de ler ainda, não contarei mais nada para que possam se surpreender, assim como eu, mas sei que tenho pela frente dicas de quais armas usar, quais os melhores lugares para me esconder e que rotas de fugas tomar.

Só comentando, o livro te ensina também como identificar zumbis em potencial, nem preciso dizer o quanto ri quando li que os publicitários estão entre os primeiros.

No hotsite do livro tem mais informações, além de 27 páginas do livro. Divirta-se!

ps: Tem Zombie Walk SP no sábado, quem vai?

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 13 de 14«1 ...91011121314››
 
ir ao topo