29 de ago 2014


Livro: Emily, the strange
Autor: Rob Reger
Editora: Galera Records
ISBN: 978-850-1086-778
Número de páginas: 275

Sinopse:
Emily é uma menina de 13 anos bem diferente. Ela adora preto, gatos, música e, principalmente, fazer coisas estranhas. Porém um dia ela acorda e, subitamente, descobre que não lembra mais nada sobre si mesma… Amnésia! Tudo o que sabe é que usa preto da cabeça aos pés e as pessoas olham de um jeito estranho para ela na rua. Emily vai se lançar em uma aventura para saber quem ela é e, no caminho, talvez faça amizades, descubra mentiras e consiga até se lembrar de alguma coisa.

Atribuí: 4

Vim falar de um livro que achei que muita gente conhecia, por já ter visto a Emily em tantos produtos, descobri que não é tão conhecido assim aqui no Brasil.

A imagem de Emily surgiu na década de 90 na época usava como gráficos de Skateboard (em Santa Cruz, Califórnia), logo, com sua cara fechada, Emily ganhou milhões de fãs pelo mundo e os produtos estampados com ela se multiplicaram (loja). Depois de tanto tempo sendo usada como uma marca, em 2005, finalmente Emily finalmente ganhou uma história, quando a editora Dark Horse comprou seus direitos. Ao todo são quatro livros, só encontrei esse no Brasil.

O livro é lindo, cheio de ilustrações de Rob Reger e Buzz Parker.
Hardcover, bem diagramado, todo em preto, branco e vermelho.

A jacket é preta e a capa dura vermelha <3

Nenhuma página é igual, o que me deixava muito curiosa por saber o que iria encontrar a seguir.

O livro é apresentado como um diário da Emily, onde ela desenha, cola fotos e conta as coisas que descobriu andando pela cidade de Blackrock desmemoriada e tentando saber quem é.

Eu achei a Emily muito engraçada, mais por sua personalidade do que por qualquer coisa em especial. As situações do livro eram muito irônicas, não posso contar nenhuma em especial porque seria muito spoiler.
Se você gosta de gatos também vai amar, são quatro.

Sim, eu gostaria de ler os outros, porém a história é bem amarrada no final do primeiro, então consigo não arrancar meus cabelos.

Ganhei esse livro do meu namorado que o encontrou quase perfeito num sebo. Alias, obrigada a você que deixou esse livro seminovo lá para mim. <3
Quem quiser comprar tem na Saraiva.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

25 de ago 2014

Olá gente, fui na Bienal.

Não me xinguem, sei que tem gente de outros estados que gostariam de ter vindo (principalmente pelos autores presentes no evento), mas vou tentar mostrar um pouco do que vi e dar dicas para quem ainda está pensando em ir.

AVISO: POST GIGANTENORME COM MUITAS FOTOS
espere as fotos carregarem antes de começar a reclamar.

O que eu posso dizer sobre a chegada? Fila, fila fila e fila.
A fila é inacreditável e sim, o que você viu no jornal realmente acontece, ouvi gente falando de duas horas de fila.
A primeira dica é: Chegue cedo, tipo às 3 da manhã, durma na fila, qualquer coisa. Os portões abrem às 9 e depois que todo mundo entra parece a 25 de março no Natal. As pessoas não correm do rapa, mas sim sempre que ouvem outras pessoas gritando, imaginando se alguém famoso chegou.

Se você não liga em esperar na fila a bienal disponibiliza ônibus gratuitos que saem das estações Barra Funda e Tietê.

Eu já tinha consciência da dificuldade que seria tentar pegar autógrafos, senhas e blábláblá, então resolvi excluir esse drama da minha vida. A primeira coisa que eu fiz foi localizar os livros que eu queria, pois sabia que assim que todo mundo entrasse as editoras grandes ficariam inacessíveis (as filas de caixa dão voltas nos estandes).

A segunda coisa? Comer. As filas na praça de alimentação também são enormes, portanto tente levar comida (e muita água) de casa ou procurar por comida assim que entrar.Assim que eliminei essas duas prioridades, fiquei livre para vagar entre os estandes me sentindo infeliz por não ter dinheiro o bastante para atacar de louca dos livros comprando tudo.

Os livros da Kahar que não pude comprar estão pelo mesmo valor no Submarino, porém vê-los todos juntos assim me fez querer comprá-los e não pude. :(

Descontos: Como só comprei em 3 editoras diferentes não sei bem como andavam as outras. Posso dizer que tive na Rocco 20% de desconto e mais 10% na Jangada. Há também alguns saldões com livros por até 3 reais.

Quando você escuta pessoas gritando e não sabe o porque é ligeiramente desesperante, portando leve o cronograma (eu me guiei por aqui) para saber quem vai estar lá e a que horas. Na hora em que a Bruna Vieira e a Paula Pimenta apareceram na Arena parecia que uma horda zumbi havia invadido o pavilhão, gritos de desespero e pessoas correndo, hahahaha!

Não sei em que momento os fãs foram mais barulhentos, pois não foi diferente com a Cassandra Clare.

Havia sessões de autógrafos mais tranquilas nos gritos, porém não nas filas, como:

Maurício de Souza
Ziraldo

E a Luly Trigo. Como o primeiro livro que eu tinha comprado era o “Meus 15 anos”, fiquei voltando no stand da Rocco para ver se ela já tinha chegado. Ela foi muito simpática comigo e acabei me sentindo culpada por não ter comprado o livro antes da Bienal, hahaha! Cabelo lindo, caneta linda (#morrendo) e depois tem resenha no blog. :)

Tem tanta coisa por lá que as vezes não percebemos pequenas ações divertidas para se fazer. Nesse mural você precisa ler e continuar a história, ri tanto enquanto lia que tive de participar (depois de tirar a foto).

Quando o cansaço chegou e mal tinha lugar para andar e sentar, porque o lugar estava lotado num nível sufocante escuto uma mulher cantando sílabas desconexas e vou até seu stand. Ela estava contando histórias “para crianças” de um jeito hilário que eu simplesmente não sei explicar. Maravilhosa, eu ri até a barriga doer. O nome dela é Kiara Terra e disse que vai voltar, só não sabe se dia 30 ou 31.

Fui embora cedo, lá pelas 14:30 e apesar do cansaço, correu tudo bem. Farei resenha dos livros comprados, não todos de uma vez para não ficar chato.

Site da Bienal

Você foi? Ainda vai? Esse ano, ano que vem? Me conta.

Ps: Na semana é mais vazio, a Bienal vai até o dia 31 de Agosto.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

15 de ago 2014

Livro: Hyperbole and a Half – Situações Lamentáveis, Caos e Outras Coisas que me Aconteceram
Autor: Allie Brosh
Editora: Planeta
ISBN: 978-85-4220-307-3
Ano: 2013
Páginas: 224
Sinopse: Allie colocou no livro algumas das histórias mais acessadas e comentadas de seu blog. Nelas ela conta situações engraçadas e absurdas que aconteceram ao longo de sua vida, de maneira muito bem humorada e literalmente desenhando para você entender.

Atribuí: 5
O primeiro lugar que vi o Hyperbole and a half foi no blog da Ana (madlyluv) e imediatamente fiquei com vontade de lê-lo. Comprei e enquanto aguardava ansiosamente a chegada fui fuçando o blog (aqui) de onde as histórias se originaram, algumas das histórias no livro estão bem acessíveis (porém em inglês).
De cara me surpreendi com o tamanho, cores e qualidade das folhas (são mais grossas, às vezes eu esquecia e pensava que eram duas). O livro é dividido pelas histórias, não é um quadrinho, porém tem muitas ilustrações.
Vou falar mais do que eu achei do que da história do livro em sí, pois o ritmo com que Allie conta as histórias é muito importante para a graça do mesmo. Logo nas primeiras páginas, não consegui deixar de pensar: MEU DEUS, SOU EU!
Me identifiquei demais com a Allie, desde sua infância pirada até a depressão. Inclusive, me senti feliz por mais alguém no mundo ser tão esquisita! O exagero e as reviravoltas são contados de forma a te deixar com a mesma cara desenhada por ela na capa do livro enquanto está lendo.
Agora, depois de ter forçado vários amigos a lerem pelo menos algumas páginas (e ler em voz alta para quem não estava muito afim), posso dizer que é o tipo de livro que você começa a ler e de repente percebe que está chorando de rir. E mesmo sem conseguir respirar porque está rindo, você quer terminar a história desesperadamente.
Se quiser dar uma olhada no blog dela, acesse: aqui.

Infelizmente eu não posso emprestar o livro para todo mundo, eu até faria, mas não quero nem pensar como ele voltaria para mim (ou se voltaria hahahaha!). Mesmo assim, gostaria realmente que vocês lessem, vale demais a pena, fazia algum tempo que eu não ria tanto. Com certeza entrou para os meus favoritos.

Espero que tenham gostado.

Eu comprei no submarino e vou deixar o link caso queiram comprar: Clique.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 9 de 14«1 ...5678910111213... 14››
 
ir ao topo