23 de nov 2017

Esse post contém muitos questionamentos, se prepare.

Já reparou como a gente se mistura? Nós somos bolos de ingredientes e referências. Sempre que vemos uma série com muita referências e entendemos ficamos impressionados e passamos a procurar se não perdemos alguma, mas se o objeto de observação fosse você, será que saberia dizer de onde veio cada pedaço. O discernimento e honestidade do meu pai, a temperança e mania de mudar os móveis de lugar da minha mãe.

Onde você aprendeu a gostar de algo, fazer algo ou até parar de fazer algo. Comecei a roer as unhas por causa da minha tia Ana, que ficava comigo de babá.

Qual foi a ultima vez que você se sentiu dessa forma?” foi a pergunta e o habito, já que sempre me pergunto agora, que aprendi com o pai da minha amiga Juliana, que é hipnoterapeuta. O senso de aventura e a sensação de pode contar sempre com a própria Juliana.

Esse colar lindo comprei na feirinha do Embu das Artes

Se cada pessoa realmente se divide entre quem é e quem gostaria de ser, como vou saber em qual dessas partes essas informações foram armazenadas e onde o outro termina e onde eu começo. A bobeira, simplicidade, espontaneidade, vontade de defender os ideais e Legião Urbana da minha amiga Karina do ensino médio.

Mas talvez nem todas as pessoas sejam assim, esponjas ambulantes, que sentem tudo e precisam absorver gostos e costumes de tantos para entendê-los. Os livros e filmes, Harry Potter e Londres da Patê.Sabe aquela sensação quando você termina um namoro e não consegue mais ouvir a música tema do casal, imagine isso com tudo na sua vida. O amor por algo menor que eu e a sensação de estar sempre alerta por alguém que não eu, ao Cherry, meu cachorro.

Realmente acredita e gosta do seu time, sua religião, seu partido político ou só seguiu o gosto da maioria, da sua família e amigos e não questionou? O misticismo e vontade de conhecer tudo da minha melhor amiga de infância Andressa.  

Você quer conhecer o lugar ou comprar determinada coisa porque gosta de conhecer lugares novos e fazer compras ou porque viu alguém fazendo e ficou com inveja? A inspiração pra criar um blog, treinar aquarela e fotografia da Melina Souza.

Você se parece na vida real com a versão vende nas redes sociais ou faz um personagem e torce pra ninguém descobrir? Como trabalhar em conjunto com pessoas que você ama e odiá-las ao mesmo tempo com Bruno e Everton.

Nos estados unidos hoje é dia de ação de graças, onde as pessoas costumam agradecer por coisas, é uma pena que nós não temos isso aqui, sinto que esse dia de gratidão faz falta, que deixamos as coisas passarem sem dar os devidos créditos, o mérito das ações e aprendizados.

Tentamos saber de onde viemos, nossas origens, quem são nossos descendentes, mas reparamos pouco em quem realmente nos influenciou a sermos quem somos. Não os ídolos, semi-deuses da tv, mas as pessoas que passaram pelas nossas vidas. Obrigada todo mundo, inclusive os não citados, até quem me machucou me ensinou algo. ♥

O look de hoje foi fotografado pela Simone, Bárbara e Paula, no feriado da consciência negra, nos encontramos para comer/conversar/fotografar e apesar da garoa de São Paulo que desanima rolês, foi bem divertido. Escolhi um look confortável que era para parecer grunge anos 90, mas cansei da camisa e acabei tirando, se transformou em preto básico e jaqueta jeans.

As luzes nas fotos são da decoração de Natal do Shopping Center 3, para quem tem interesse em fotografar nelas também, as fotos ficam lindas.

Nesse look usei: Blusa de alças: hering Camisa: Brechó Samburá Saia e jaqueta: C&A Sapato: Via Uno

Look Ilustrado da vez:

 

 

Você pode encontrar um look como esse ou muitas outras peças legais para presentear as pessoas que te fizeram quem você é, usando o Lounge A, um site de buscas com 500.000 peças  de mais de 3.000 marcas diferentes. E com o sale alert você ainda encontra as melhores promoções, aproveita que amanhã é black friday!

Esse post contém propaganda paga, todas as opiniões no mesmo são sinceras.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

17 de nov 2017

Eu passei muito tempo tentando entender qual era meu estilo. Observava minhas amigas com os delas e não entendia como elas gostavam apenas de uma coisa, enquanto eu queria todas. Como na adolescência nós passamos muito tempo procurando onde nos encaixar, então fui pro lado do rock e apesar da maioria das roupas pretas ainda conseguia misturar com street style. Depois que a gente cresce percebe que isso limita as opções e que não precisamos escolher uma coisa ou outra pra gostar, a vida é cheia de possibilidades.

Mesmo sabendo disso continuei perdida, continuei tentando entender o que eu gostava mais, muito teimosa,  a resposta era tão óbvia. Eu gostava de tudo, do rock, do vintage, do street style, do minimalismo e do romântico. E agora eu decidi que quero os anos 90, toda a década e vou fazer o melhor que eu puder com meu guarda roupa e as fotos de referência que encontrar.

Pochetes! Primeiro eu estranhei, ri, tirei um sarro mentalmente, depois me imaginei usando e deixei pra lá. Somente um ano depois as pochetes me conquistaram, consegui encontrar essa de couro sintético em uma feira de brechós, com a intenção de usar atravessada no corpo e não no baixo ventre.

E agora posso contar a experiência, é como sair de casa sem sutiã, absolutamente confortável e prático, porém as pessoas encarando e estranhando fazem com que você se sinta out of place, desconfortável. Ainda bem que eu sou pirracenta em muitas situações.

Usei esse look em um dia mega quente, a inspiração foi os anos 90, amarrei o cabelo em um coque abacaxi de lado e complementei com acessórios dourados; Brincos de argola, relógio analógico e cinto.

Andei muito e definitivamente a Melissa Flox passou no teste, não machucou em nada o meu pé, até fez parecer que eu não havia andado tanto. Recomendo fortemente.

Maiô e cinto: Bazar Samburá Short e jaqueta: C&A Pochete: Bonnie&Clyde – O Brechó  Nos pés: Melissa Flox

Look ilustrado:

Faz tempo que eu não ilustrava um look, sinto muita falta mas nem sempre dá tempo. Espero que vocês ainda gostem.

Você pode encontrar um look como esse ou muitos outros usando o Lounge A , um site de buscas com 500.000 peças  de mais de 3.000 marcas diferentes. E com o sale alert você ainda encontra as melhores promoções, corre lá!

Esse post contém propaganda paga, todas as opiniões no mesmo são sinceras.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

06 de nov 2017

~ Senta que lá vem textão ~

Por um momento me peguei entediada com meus sentimentos. Sentimentos são a matéria prima da minha vida, uso para tudo, comparo situações que me aconteceram com as de amigos em conversas, puxo pela memória outros momentos que me trazem a vontade de escrever, levo-os em consideração a cada decisão e de repente, cansei deles.

É engraçado como algo que você tem a tanto tempo, que te acompanha diariamente e que por muitas vezes te fez orgulhoso, passa a condição de tédio.

Os sentimentos só se repetem, estou me sentindo da mesma forma a muito tempo e se nada muda a gente cansa de sentir. Mas a culpa não é deles, dos sentimentos, a culpa é minha que deixei saturar, porque nas tentativas de me fazer sentir de outra forma, senti a coisa que mais dá medo de sentir: A insegurança, e voltei correndo pra zona de conforto.

Tem algumas palavras que nos enganam, elas se parecem um pouco, mas conforme vamos vivendo percebemos o salto de uma para outra. Eu trocaria a insegurança por uma mera incerteza, aquela que beira a decisão. A estabilidade não pode virar estagnação, continue a nadar. Se você permanece passivo, esperando que algo balance seu mundo, mas tem medo do terremoto e se esconde embaixo da mesa quando ele vem, os sentimentos permanecem se arrastando durante o dia e naquele tempo que leva, do momento em que você se deita até conseguir pegar no sono, te atormentam.

Feliz, ansiosa, triste, bem triste, feliz, ansiosa, pra onde foi a intensidade?  Vou deixar aqui um pedido a mim mesma para buscar novas sensações e experiências, a vida tem possibilidades demais para se vivenciar. Considerem-se incluídos.

Esse foi o look para o Sábado de aniversário da minha amiga Jaqueline Ávila, engraçado que sem planejar ele acabou servindo pra tarde e noite. Da creperia a balada. Uma das marcas registradas dessas peças é a referencia aos anos 90, minha década favorita se tratando de estilo, tudo é peça chave e serve pra qualquer muitas ocasiões diferentes.

Esse foto parece que conta uma história: Dei sinal pro ônibus e ele passou direto

Vestido: Brechó Mãesp Jaqueta: C&A Oxford: Via Uno Meia: Marisa Batom: Carol – Pausa para feminices

Desde que comprei a jaqueta jeans, não consigo parar de usá-la, meu feed do Instagram que o diga, como sempre fiz minha pesquisa no pinterest com ideias de looks, tem um álbum lá pra quem quiser (clique) e um vídeo com alguns looks usando jaqueta jeans no canal.

As fotos foram tiradas pela Dani Nogueira, arrasou sim ou claro? Se quiser um ensaio, chama ela:e-mail: daninogueiraph@gmail.com | Instagram

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 5 de 231 ...123456789... 23››
 
ir ao topo