23 de out 2017

Está chegando a data comemorativa mais legal do ano (pelo menos para mim): O HALLOWEEN, yaaaaay!

Comecei a assistir algumas séries e vocês sabem que não sei assistir um episódio por vez, se não for pra maratonar eu nem abro o Netflix, hahaha. Separei algumas série terror/suspense para vocês conhecerem, todas do Netflix para facilitar, espero que gostem e se já assistiram alguma dessas, comenta aqui no post para conversarmos a respeito.

Mind Hunter

Essa série me lembrou imediatamente Stranger Things, a caracterização de tudo para realmente parecer os anos 70 foi incrível.

A série é baseada no livro de mesmo nome, conta a história de dois agentes do FBI que entrevistaram serial killers durante o processo desenvolvido ao longo dos anos para solucionar assassinatos em série. Muitos casos que aparecem são reais, assim como os dois agentes e os assassinos em série (são interpretados por atores, porém, existiram na vida real).

Scream

Já falei de Scream aqui no blog, mas voltei porque eles lançaram um episódio especial de halloween super longo e vale a pena assistir.

Slasher

A pior série que já vi na vida, muito provavelmente (minha opinião, claro). Ela é canadense e lembra bastante Scream, porém muito mais trash, tripas e sangue jorrando, os personagens são bem burrinhos e o roteiro bem óbvio e clichê. Quem gosta desse estilo vai amar.

Assim como American Horror Stories, cada temporada tem uma história individual, muitos dos atores são os mesmos.

The mist

Baseado no conto de mesmo nome, escrito por Stephen King, a série se passa na cidade de Bridgton que é envolvida por um nevoeiro que esconde algum tipo de monstro atacando qualquer um que estiver nele. A maior parte da série mostra os conflitos dos moradores da cidade durante o certo da neblina. Seguindo um terror mais psicológico WTF que só Stephen King consegue inventar, tem quem ache a série parada, mas é questão de gosto mesmo.

Há um filme ‘O nevoeiro’, também muito bom, recomendo.

Lucifer

Lucifer, apesar de carregar o nome do demônio, não é tão pesada quanto parece. Ele, o Lucifer no caso está dando um tempo na terra porque cansou da vida de malvadão e quer aproveitar dos prazeres disponíveis entre os humanos, saber dos desejos mais profundos de nossas almas, esse tipo de coisa.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

30 de ago 2017

Um série incrível que todos deviam conhecer: Happy Valley. Achei no Netflix e comecei a assistir sem pretensões, sem indicações, pura sorte.

Happy Valley é uma série britânica de drama criminal, ou seja, uma série policial com choradeira, hahaha. Ela começa no ponto em que Catherine, que trabalha para a polícia e mora com sua irmã desde que se divorciou do marido, cria seu neto, Ryan, fruto de um estupro que sua filha adolescente sofreu. Becky (A filha), cometeu suicídio após o nascimento do filho e o homem responsável acaba de ser solto após cumprir sua pena.

A relação de identificação com Catherine Cawood é automática, porque a mesma não poupa sentimentos, da mesma forma que ela corre pra porradaria, chora quando precisa. De certa forma de fez pensar como outros personagens femininos de séries foram trabalhados de forma rasa, seguindo apenas uma vertente, ou durona, emotiva, sensível, dramática, quando na realidade todas as mulheres tem muitas versões de si.

A série não subestima a inteligência do espectador

A cenas acontecem de forma que nós surpreendemos de acordo com os acontecimentos, não são muitas as cenas em que conseguimos prever o que vai acontecer antes dos personagens. A construção do roteiro é muito inteligente. Ainda que haja momentos de violência, sabemos que outros aconteceram na história e foram ocultados, imagino até como uma forma de não atrapalhar o desenvolvimento dos personagens futuramente.Sabe as vezes que você estava assistindo um filme e ficou indignado com os personagens “Mas porque ela não foi pelo outro lado”? Você não vê esse problema aqui.

Mulheres reais
A  personagem principal é uma mulher beirando a terceira idade, sexualmente ativa, que trabalha fora, avó e fora da linha “bela recatada e do lar”. A maioria das personagens são mulheres e incríveis, chegou a ser patético como os homens pareciam fracos perto delas, uma vez que a série não tenha seguido a linha machista.

Se ainda não foi o bastante:

  • Inglês britânico é muito legal
  • Dirigida por uma mulher
  • Passa no teste Bechdel (O teste questiona se a obra de ficção possui pelo menos duas mulheres que conversam entre si sobre algo que não seja um homem) fácil e sem esforço.
  • São duas temporadas com 6 episódios cada, está no Netflix e você não tem desculpas para não ver.
  • Se você já assistiu The Fall e gostou, provavelmente vai amar, caso não, assista em seguida, porque também é incrível.
  • Pros fãs de Harry Potter ainda temos duas participações de atores na segunda temporada, quando assisti não sabia, então imaginem o meu susto ao ver Neville (Matthew Lewis) e Murta que geme (Shirley Henderson), hahaha.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

18 de abr 2017

Sabe aqueles filmes que são tão bons que merecem ser vistos por todo mundo? Eu tenho uma lista imensa de filmes assim e por isso resolvi criar uma serie de posts aqui para compartilhar eles com vocês. Agora, todo mês terá um post com indicações de filmes incríveis que talvez você ainda não tenha visto. Vou buscar sempre indicar três filmes por vez, assim consigo falar um pouco sobre eles e o post não fica cansativo.

Para esse primeiro post escolhi três filmes que tem uma coisa em comum (além de estarem na minha lista de favoritos, claro), todos trazem criticas sociais, sejam elas explicitas ou implícitas.

Réquiem para um Sonho

Requiem para um sonho

Réquiem para um Sonho é um daqueles filmes que não fácil de assistir, mas que com certeza vale a pena. Nele vamos acompanhar, principalmente, a historia de três personagens que lidam com diferentes tipos de vícios. Harry Goldfarb (Jared Leto) e Marion Silver (Jennifer Connelly), um casal apaixonado, que tem como sonho montar um pequeno negócio e viverem felizes para sempre, porem são viciados em heroína. E Sara (Ellen Burstyn), a mãe de Harry, que durante o processo de emagrecimento acaba viciada em pilulas para emagrecer. O filme vai mostrar como o vicio, seja ele qual for, pode destruir vidas e relações. É um filme incrível, com um roteiro super complexo e bem estruturado, que trabalhou muito bem as tragédias e as relações entre os personagens.

Meninos Não Choram

Meninos não choram

Meninos Não Choram é um filme baseado em fatos reais e conta a história de Brandon Teena, um garoto transexual. O filme começa em meados de 1993, mostrando as dificuldades de Brandon para legitimar sua identidade e os preconceitos que sofre, situações que o levam a se mudar de Lincoln, sua cidade natal, para Falls City, região de Nebraska. Nessa cidade Brandon vai fazer amizades, viver um romance com Lana Tisdel e também sofrer diversas violências quando sua transexualidade é revelada.

O filme é bastante “pesado” e já aviso que tem cena de violência sexual, então pra quem isso é um gatilho, é bom saber antes de assistir. Eu realmente passei muito mal com a cena, pois ela é bastante perturbadora. Mas, é um filme incrível, principalmente para que se possa entender o nível de violência que as pessoas LGBT sofrem.

Na Natureza Selvagem

 Na natureza selvagem

Na Natureza Selvagem conta a historia de Christopher McCandless (Emile Hirsch), um jovem recém-formado, que decide viajar sem rumo pelos Estados Unidos em busca da liberdade. Durante sua jornada pela Dakota do Sul, Arizona e Califórnia ele conhece pessoas que mudam sua vida e sua forma de ver o mundo, assim como sua presença também modifica as delas. Até que, após 2 anos na estrada, Christopher decide fazer a maior das viagens e partir rumo ao Alasca, onde vai realmente explorar os desafios da natureza e de viver isolado da sociedade. Apesar de ser um filme que ainda tem vários clichês hollywoodiano com relação a construção do personagem, o filme é muito bom para fazer a gente repensar, principalmente, os nossos hábitos de consumo. A trilha sonora também merece muito destaque, pois se encaixou perfeitamente, deixando muitas cenas dramáticas ainda melhor.

Então, já assistiu algum dos filmes? Me conta nos comentários, e também indica pra gente aquele filme que você acha incrível e que merece ser visto por todos. Xoxo :*

Créditos: O site filmow foi usado para ajudar na composição das sinopses.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 2 de 30123456... 30››
 
ir ao topo