16 de dez 2014

Olá, pessoal!

Como eu escrevo aqui quinzenalmente, já entro em clima natalino pra vocês! Selecionei cinco filmes, novamente, baseado no meu gosto pessoal. Deixei de fora muitos dos clássicos (Grinch, Esqueceram de mim), porque procuro mostrar novos filmes a vocês!

Vou fazer em ordem cronológica, então começo com Felicidade não se compra (It’s a Wonderful Life), de 1946. O filme mostra a história de George que, na véspera de natal, está a ponto de se jogar da ponte. Clarence, um quase anjo, pois ainda não conseguiu suas asas, tenta mudar a opinião de George. Para isso, ele mostra a George como seria a vida de todos de Bedford Falls se não o tivessem conhecido. A história é lindíssima e, mesmo muitas pessoas não gostarem de filme preto-e-branco, é super gostoso de assistir.

its a wonderful life

O Estranho Mundo de Jack (A Nightmare before Christmas), de 1993, também se passa no natal. Na verdade, Jack vive na cidade do Halloween, mas após entrar em um portal e ver o natal, ele decide comemorar a data em sua cidade. O problema é que, para isso, ele decide sequestrar o Papai Noel. O filme é um musical, um alerta pra quem não gosta do gênero. Ah, pra curiosidade de vocês, vale lembrar que esse filme não é do Tim Burton, o diretor é Henry Selick, o mesmo de Coraline (sim, esse também não é do Burton). No entanto, Jack foi criado por Burton em um poema e ele esteve presente em alguns dias da produção. A confusão é muito normal pelo filme ser semelhante a A Noiva Cadáver, tudo mórbido e de massinha.

nightmare before christmas

Um dos meus filmes favoritos, e que assisto todo ano nessa época, Simplesmente Amor (Love actually), de 2003, conta a história de diversos moradores de Londres nas vésperas do natal que, de alguma forma, se interligam. São histórias de vários temas, sobre amores de casais, de pai e filho, de casamentos, de divórcios, tudo, não consigo escolher uma história favorita. Fora a diversidade de histórias, o elenco é de aplaudir de pé. Hugh Grant, Colin Firth, Keira Knightley, Alan Rickman, Laura Linney, Emma Thompson, Liam Neeson, Bill Night, Rowan Atkinson, Martin Freeman, Andrew Lincoln e até o nosso Rodrigo Santoro. Sério, quem ainda não assistiu, veja!

Love-Actually

O Expresso Polar (The Polar Express), de 2004, mostra o que talvez todos nós passamos algum dia. Na véspera de natal, um garoto está acordado porque desacredita em papai noel. Contudo, ele ouve um barulho e vê um enorme trem a sua espera para leva-lo ao Pólo Norte (ok, essa parte acho que ninguém passou). Durante sua viagem, ele presencia momentos inusitados como, por exemplo, a aurora boreal. A fotografia do filme é lindíssima e embora seja um desenho, Tom Hanks faz a maioria dos personagens masculinos, inclusive o menino e o condutor do trem, e suas expressões faciais estão contidas em cada um dos personagens; essa tecnologia se chama captura de performance e é praticamente um Tom Hanks animalizado.

polar-express_1280x1024_www-gdefon-ru

Para terminar, baseado no livro de Charles Dickers, Um Conto de Natal, Os Fantasmas de Scrooge, de 2009. Esse livro é super famoso, principalmente pela moral da história. Scrooge é um velho que sua riqueza é proporcional à sua arrogância. Na noite de natal, ele recebe a visita de três fantasmas: o do passado, o do presente e o do futuro. Os fantasmas têm o intuito de mostrar para Scrooge como ele acabará se continuar a pessoa fria que foi e continua sendo. Decidi mostrar essa adaptação por ser a mais conhecida, mas essa história não deve ser totalmente estranha pra vocês, a Disney, por exemplo, já fez várias paródias, lembro-me de um com o Mickey antiguíssimo.

"DISNEY'S A CHRISTMAS CAROL"

Se vocês já assistiram a esse filme e ao Expresso Polar, perceberam muitas semelhanças, como o mesmo estilo de captura do ator, nesse caso do Jim Carrey. A resposta dessa coincidência é que os dois filmes são do Robert Zemeckis, diretor do excelentíssimo e so-called meu filme favorito, Forrest Gump. (Desculpem-me pelo excesso de favoritismo aqui). Também como curiosidade (tô um poço de conhecimento, gente), Scrooge é o nome em inglês do Tio Patinhas, alusão direta à personalidade do pato.

É isso aí, pessoal! A mensagem dos filmes de natal, geralmente, é de esperança, seja para encontrar alguma coisa nova, seja para reconstruir o que foi perdido. Eu adoro e acredito que as pessoas ficam mais bondosas nessa época do ano. E vocês, o que acham?

Coloquei muitos desenhos e espero que vocês não se importem. Ainda volto esse ano pra mais um post, então se vocês quiserem algum tema específico aqui, podem dizer nos comentários! Adoro ler os comentários de vocês!

Ótimo natal a todos!

Beijos e até a próxima!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

02 de dez 2014

Olá, pessoal!

Para quem acompanha o blog, viu recentemente um vlog da Carla reclamando da vida. Com isso, decidi fazer um post sobre distopias para mostrar pra ela que a vida podia ser imensamente pior. Afinal, ela não mata ninguém para sobreviver (acho). Distopia é um pensamento filosófico de uma sociedade imaginária, baseia-se no mundo atual, mas com alguns aspectos ao extremo, como o governo e a população. Como constantemente reclamo aqui no blog, é difícil escolher alguns filmes de um determinado tema. Minha escolha foi meramente por gosto e na esperança de indicar pra vocês filmes novos.

Seria um desrespeito começar essa lista sem mencionar 1984, baseado na obra de George Orwell, não comentarei mais porque a adaptação não é boa. Para interesse de vocês, um remake está em processo e com rumores (pelo menos da última vez que ouvi) que a Kristen Stewart ia participar. Fiquem ligados.

Filme que se influenciou muito de 1984 é V de Vingança, de 2005, onde mostra uma Inglaterra futurística e totalitária. Every, Natalie Portman, é salva por V, que planeja, com a ajuda dela, libertar a sociedade e criar uma anarquia. O filme é baseado em uma HQ da DC Comics que retrata a temática de forma mais bruta e explícita. Se vocês não assistiram ao filme, pelo menos conhecem a figura do V, que foi máscara para muitos manifestantes, inclusive em junho do ano passado.

v-for-vendetta

Laranja Mecânica, de 1971, também é um nome famoso dentre as distopias. Filme de Stanley Kubrick, baseado na obra de Anthony Burgess, retrata a história de Alex, um líder de uma gangue que foi preso e submetido a um tratamento “contra a violência”. O método do tratamento tem uma cena icônica com o Alex com os olhos abertos a força e que nos possibilita a criticar o modo que o governo condena os “criminosos” sem se importar com a ética humana.

orange-clockwork

Outro filme que instiga a ética é O Show de Truman, de 1998, que mostra o personagem de Jim Carrey crescendo diante das câmeras 24h por dia sem saber. Todos os seus conhecidos são atores e a produção do show criou traumas de infância para que ele ficasse com medo de sair da cidade. O filme é belíssimo e com uma crítica fortíssima desses Big Brothers da vida. Vale a pena conferir, por mais que o Jim Carrey não nos faça rir nessa vez.

truman-show

Meu filme favorito dessa lista, mas igualmente crítico e chocante, é Não me abandone Jamais, de 2010. No filme, presenciamos uma sociedade que cria clones para, se a pessoa eventualmente precisar, consiga novos órgãos de si mesma. Por ser uma sociedade que provavelmente deve abusar das químicas, eles precisam rapidamente de novos rins, pulmões e afins. Essa parte, contudo, não é explorada, nós acompanhamos três clones que vivem um triângulo amoroso, mas são obrigados a passar por estas cirurgias durante o pouco período de vida que eles têm. O triângulo é formado pelos lindos Andrew Garfield, Keira Knightley e Carey Mulligan. Recomendo muito esse filme para aqueles que ainda não assistiram.

never-let-me-go

Deixarei aqui uma reflexão à la redação de vestibular: É possível afirmar que as distopias perderam seu caráter imaginativo e estão cada vez mais realísticas? Aliás, para quem fez FUVEST, espero que tenha ido bem!

E para quem leu até o final (meu muito obrigada), tem surpresa! A mais recente distopia que chegou aos cinemas é Esperança – Parte 1 e eu ganhei inúmeros pôsteres que o Cinemark (olha eu de novo falando deles) deu na compra dos ingressos antecipados. O que vocês acham de rolar um sorteio aqui no blog? Acham que a Carla deveria fazer?

É isso, pessoal! Até daqui duas semanas!

Um beijo e até a próxima!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

18 de nov 2014

Hoje vim cumprir minha promessa e falar sobre um dos gêneros que mais gosto do cinema: o musical. No entanto, fiquei indecisa sobre como abordar o tema aqui no blog; se falando sobre a origem, se comentando alguns dos que mais gosto. Depois percebi que qualquer uma das duas abordagens resultaria em um post enorme, então me contentei com selecionar cinco filmes que são importantes para o gênero e que me marcaram.

Começo por O Mágico de Oz (The Wizard of Oz), de 1939, baseado no livro infantil de L. Frank Baum, e conta a história de Dorothy que, graças a um tornado, vai parar na terra de Oz. Dorothy deseja voltar para casa e para isso procura o mágico de Oz que dizem realizar pedidos. Junto a sua jornada, ela encontra seres que também estão à procura do Mágico para atender seus desejos: um espantalho que deseja um cérebro, um homem de lata que procura um coração e um leão que precisa de coragem.  O filme começa em com tons de marrom, mas após Dorothy chegar a Oz, torna-se colorido, mostrando cores vivas e os famosos sapatinhos vermelhos da protagonista. A música mais famosa desse musical ocorre ainda em Kansas, antes do tornado, por isso a cor. Quem quiser ver o vídeo:

De 1965, dou destaque ao filme A Noviça Rebelde (The Sound of Music). Ganhador do Oscar de melhor filme, é baseado em um musical da Broadway e conta a história da família Von Trapp. A vida dessa família muda quando Maria, interpretada por Julie Andrews, é contratada como governanta dos sete filhos do pai viúvo. O capitão Von Trapp educa os filhos de forma muito rígida e Maria revoluciona essa educação, aliás, ela ensina as notas musicais em forma de música, confira aqui. Para quem desejar, também vou deixar aqui a cena de abertura com a lindíssima Julie cantando.

the-sound-of-music

Agora cito um filme que quem não viu pode conferir no Cinemark naquela iniciativa que comentei semana passada (quem perdeu, o link é esse). Grease de 1978 vai passar nos cinemas dia 20 e 21 de dezembro. Para quem não conhece, o filme conta a história de dois estudantes que se apaixonam no verão, mas se separam no mesmo período. O que eles não esperavam é que Sandy se muda para a mesma escola que Danny, mas eles não ficam juntos devido aos comportamentos infantis dos dois. (Atire a primeira pedra quem não se identificou) John Travolta está em seu auge e o filme tem uma música conhecidíssima, Summer Nights. Não colocarei links do youtube na esperança de vocês irem conferir no cinema (não estou recebendo comissão do Cinemark, ok, gente?).

grease-poster

Chegando no século XXI, Chicago de 2002, também ganhador do Oscar de melhor filme, mostra a história de Roxie (Renée Zellweger), que vai pra prisão por ter matado seu amante. Lá, ela conhece Velma (Catherina Zeta-Jones), que assassinou seu marido e a amante dele. Roxie ainda não foi condenada e para que isso não ocorra, ela contrata Flinn (Richard Gere), que pretende manipular a impressa para vê-la como inocente e torna-la uma celebridade. Deixo aqui a primeira música do filme, All that jazz. Também deixo a minha cena favorita do filme, Cell block tango. Confiram quem ainda não assistiu, é sensacional.

Para finalizar essa lista, cito Os Miseráveis (Les Misérables), de 2012, pois é o musical que recentemente mais teve prestígio pelo Oscar. O protagonista do filme é Jean Valjean (Hugh Jackman), que foi preso por roubar um pão para alimentar sua irmã. Após cumprir sua sentença, ele reconstrói a vida, mas constantemente é perseguido pelo Inspetor Javier (Russell Crowe). Ele conhece Fantine (Anne Hathaway) que, após sua morte, decide criar sua filha, Cosette (Amanda Seyfried). O filme é um poço de talento e tragédias, super recomendo para aqueles que ainda não viram. Deixo aqui a performance que concedeu o Oscar de melhor atriz coadjuvante à Anne Hathaway, I dreamed a dream.

A lista de musicais que adoro é imensa, então foi muito difícil escolher cinco filmes. Quem sabe algum dia eu não seleciono mais cinco e posto aqui. Por enquanto é só, não esqueçam de me dizer quais são os seus musicais favoritos!

 

Um beijo e até a próxima!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 26 de 30«1 ...222324252627282930... 30››
 
ir ao topo