31 de maio 2016

Olá, pessoal,

Estive bem pensativa com esse post, queria tratar sobre diversos assuntos que foram recorrentes essa semana, mas todos já foram abordados aqui (parada lgbt, machismo). Pensei, então, em uma lista sobre uma das possíveis consequências se esses temas não forem discutidos: depressão. Fiz uma lista bem simplória, tentando abranger vários gêneros de filmes como uma iniciativa para compreender essa doença que, assim como a homossexualidade e o feminismo, é negligenciada pela nossa sociedade.

As Virgens Suicidas

Para começar, As virgens suicidas, de 2000, mostra uma família de classe média com cinco filhas adolescentes. Quando uma delas, com 13 anos, comete suicídio, a família se desestrutura e as demais filhas ficam presas em casa sem poder interagir com qualquer cara da cidade. O problema é que todas são adolescentes e com fogo na piriquita, então já viu, ne? Proibir só piora a situação. O filme é um clássico da Sofia Coppola e mostra a Kirsten Dunst novinha e atuando muito bem.

Elena

Elena é um documentário brasileiro de 2013 que conta os passos de Elena após viajar para Nova York para virar atriz de cinema. Tudo isso é perspectiva da irmã, Petra, que foi entender o que aconteceu com sua irmã depois de vinte anos. Elena se suicidou e Petra tenta entender o porquê. O filme é de uma poeticidade maravilhosa, gente. Assistam!

À beira da loucura

À beira da loucura, de 2001, é do diretor John Carney, o mesmo de Mesmo que nada der certo. Nesse filme, a perspectiva é de um cara que tinha “tudo” na vida: era rico, bonito e jovem. Mesmo assim, ele se jogou do alto de um penhasco e, após escapar por um milagre, começa a se consultar com um médico e a entender seu propósito na vida. O filme nos dá a mesma leveza que o final de Mesmo que nada der certo, bem agradável de assistir.

Melancolia

Preparem-se para assistir Melancolia, não é para todos. O filme de 2011 do Lars Von Trier, basicamente, gira em torno de um planeta que vai colidir com a Terra em poucas horas e em como as personagens se preparam para esse “evento”. Digo basicamente porque o filme vai muito além disso e muito além de qualquer sinopse que eu vá fazer aqui. Quem já assistiu, comente comigo e, quem pretende, fica o meu alerta: abstraia.

A pequena loja de suicídios

Para tirar o clima pesado, a animação francesa de 2012, A pequena loja de suicídios, é uma ótima opção para continuar no tema, mas descontrair um pouco. A pequena loja de suicídios é a loja mais lucrativa de uma cidade bem depressiva e gera uma diversidade enorme de como se matar. A família que administra a loja tem uma reviravolta quando a dona tem um filho alegre, o que é totalmente proibido para eles.

Então é isso, pessoal, de novo, a lista é só um pontapé no tema, tem muitos aspectos a serem abordados, mas fica para próxima.

Beijos!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

03 de maio 2016

Olá, pessoal!

Não sei se vocês acompanham, mas o final de RuPaul’s drag race tá chegando e eu tô enlouquecendo! Adicionado com o fato que recentemente eu fui ver a minha drag queen do reality favorita (Manila, pra quem se interessar), pensei em uma lista com drags e transexuais (sabemos que é diferente). Por incrível que pareça, consegui uma variedade de estereótipos dentre os filmes, então não tem essa de “não faz meu tipo de filme”.

Priscilla, A Rainha do deserto

Nessa lista, não podia deixar de faltar Priscilla, a rainha do deserto, que é referência no mundo drag (tanto é que tem uma festa chamada Priscilla em São Paulo). O filme é de 1994 e conta a história de duas drags e uma transexual que vão performar em uma cidade desértica da Austrália. Priscilla é o nome do ônibus que as levam até o show e, olha, o caminho é uma aventura.

A Gaiola das Loucas

A Gaiola das Loucas também é um clássico do tema com várias adaptações, mas escolhi a primeira de 1978. Gaiola das Loucas é uma boate com apresentação de drags, onde os donos são um casal homossexual. A situação complica quando o filho de um deles resolve levar a noiva que é de uma família tradicional para conhecê-los. Eles tentam ao máximo para esconder, mas como uma boa comédia, tudo dá errado. Vale muito a pena, gente, é risada garantida.

Clube de Compras Dallas

Clube de Compras Dallas, de 2014, ficou muito conhecido pela personagem interpretada por Jared Leto, que o fez ganhar o Oscar de ator coadjuvante no ano. A história se concentra na personagem de Matthew McConaughey, que também levou a estatueta naquele ano. O ano é 1986 e Ron é diagnosticado com AIDS. Vocês sabem que na época a doença ainda era ainda um tabu (como se hoje não fosse) e os tratamentos eram em sua maioria clandestinos. Ele começa, então, um tráfico de medicamentos e nisso, ele conhece a transexual Rayon. O filme é emocionante e trata de temas bem polêmicos, vale muito também pelas atuações.

Má educação

De Pedro Almodóvar, Má Educação, de 2003, conta a história de uma forma não linear de dois meninos que estudaram juntos e se reencontraram depois de um tempo. Eles descobriram suas sexualidades juntos e isso reflete no que eles são. Um deles vira um cineasta com atual bloqueio criativo e o outro se descobre travesti. O reencontro traz várias reflexões e é só isso que posso contar do filme. Amo Almodóvar e suas cores quentes; esse filme é um dos melhores dele na minha opinão.

Rent – Os boêmios

Por fim, o musical Rent, de 2006, retrata um grupo diversificado de amigos que vivem no limite em Nova York. Basicamente, são várias pessoas e vários romances ao longo do filme com ótimos números musicais. O filme se concentra em Roger, viciado em drogas e portador de HIV, mas dou destaque aqui à Angel, uma drag queen. Para quem gosta de musical, o filme tem várias críticas e as músicas são marcantes, como por exemplo Seasons of love.

Além dessa lista, sugiro fortemente RuPaul’s drag race! Tipo, mais do que esses filmes porque tô mega viciada! Inclusive já tenho minha favorita, e vocês? Quem assiste, comente pra surtarmos juntos, ok?

E é isso, pessoal. Até a próxima!

Beijos!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

19 de abr 2016

Olá, pessoal,

Acredito que todo mundo aí tem um quê de stalker, né? Então, você que sabe da vida inteira do crush, de todas as amigas da best, seria um ótimo detetive! Já pensou? Eu pensei (e muito) e por isso fiz uma lista de detetives do nosso cinema. Tem de tudo, sério, vem conferir!

Sherlock Holmes

Vou começar com o, talvez, mais famoso. Sherlock Holmes é o detetive britânico criado por Sir Arthur Conan Doyle. A versão que escolhi para representar aqui é a mais recente cinematograficamente de 2009, com Robert Downey Jr no papel. Holmes e Watson já são parceiros há anos, mas agora, com o casamento de Watson, eles estão investigando o último caso juntos. Existe uma continuação de 2011 chamada O jogo das sombras e aparentemente uma terceira está por vir!

Ace Ventura

[Dessa ninguém lembrava, fala sério?] Para quem é dos anos 90, vai lembrar do auge do Jim Carrey em diversos filmes de comédia e Ace Ventura, de 1994, é com certeza um deles. Para quem não conhece, Ace é um detetive especialista em desvendar crimes que envolvem animais. Seu primeiro caso é o desaparecimento de um golfinho e nós acompanhamos seus métodos pouco convencionais para desvendar esse mistério. Só tenho uma coisa pra falar desse filme: divertidíssimo!

Inspetor Bugiganga

Sessão nostalgia, gente (pelo menos, pra mim). Embora a versão que eu mais conheça seja a d do desenho animado, não podia deixar de lado Inspetor Bugiganga, de 1999. Interpretado pelo Matthew Broderick, Bugiganga é um segurança que teve seu corpo dividido e transformado numa máquina. Após se acostumar com seu novo corpo, ele passa a combater e desvendar crimes pela cidade sempre de maneiras muito divertidas e atrapalhadas. É um ótimo filme sessão da tarde.

A Pantera cor-de-rosa

A pantera cor-de-rosa tem diversos filmes, mas decidi novamente optar pelo mais recente, de 2006 com Steve Martin. Ele interpreta Jacques Clouseau, um policial francês que foi promovido inspetor. Seu primeiro caso como tal envolve o roubo de um diamante conhecido como Pantera Cor-deRosa que ficava em um anel. O filme também é uma comédia e rende algumas risadas. Além disso, existe uma continuação de 2009.

Assassinato no Expresso do Oriente

Para finalizar com outro detetive literário, dessa vez da Rainha Agatha Christie, Assassinato no expresso do Oriente nos apresenta Hercule Poirot. Esse é um dos livros mais famosos da autora e tem diversas adaptações, eu escolhi essa de 2001 por ter sido a primeira que assisti e, portanto, o primeiro rosto do Poirot que concretizou na minha memória, mas vale ressaltar que não é a mais icônica. Sobre o filme, bom, o título denuncia muito, né? Acontece um assassinato no trem em que Hercule Poirot está, então ele fica encarregado de investigar enquanto eles estão na viagem. Eu sou super fã da Agatha, então super recomendo a história, não necessariamente essa versão.

É isso aí, pessoal,  inspirem-se e sejam felizes nos stalks da vida!

Até a próxima,

Beijos!

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 9 de 30«1 ...5678910111213... 30››
 
ir ao topo