11 de abr 2017

Na semana passada saiu o primeiro episodio da quinta temporada de Prison Break. Eu ainda não vi o episodio porque quero terminar de rever todas as outras temporadas da serie, mas não queria esperar para fazer esse post, então em vez da gente conversar sobre o que eu achei do episodio e o que espero da nova temporada, eu resolvi trazer cinco motivos para que vocês façam uma maratona da serie.

É bem provável que você já conheça essa serie e até já tenha assistido um episodio ou outro, pois ela até já passou no sbt, mas caso você seja novo no mundo das series e não conheça nada sobre essa belezinha que começou a ser exibida lá em 2005, e foi “finalizada” em 2009, ela tem como enredo principal a historia dos irmãos Lincoln Burrows e Michael Scofield, sendo mais especifica do plano que Scofield cria para resgatar da prisão o irmão, que está com os dias contados para receber a sentença de morte por ter matado o irmão da vice-presidente.

E se a historia ainda não chamou a sua atenção o suficiente para começar a assistir a serie, segue lendo esse post porque vou te dar motivos pra mudar isso. E se você já ficou com vontade de assistir, bem, segue lendo o post também. (Risos)

ENREDO BEM CONSTRUÍDO

Sabe aqueles historias que depois da metade você ainda tá vendo as coisas se amarrarem e não tem furos bizarros? Prison Break tem muito disso, principalmente nas primeiras temporadas. Cada elemento da historia é chave para os acontecimentos que se seguiram, então o enredo ser muito bem construído e pensado é com certeza a segunda melhor coisa do seriado (vou falar da primeira no próximo tópico).

5 motivos para fazer uma Maratona de Prison Break

A MELHOR QUÍMICA ENTRE ATORES QUE INTERPRETARAM IRMÃOS

Dominic Purcell (Lincoln) e Wentworth Miller (Michael) tem uma química incrível, é serio. Eu consegui “ver” o amor familiar e realmente acreditar que um se importava tanto com o outro que seria capaz de cometer um crime e ser preso só para tirar o irmão da prisão. Ah! E Acredito que não sou a unica que considera que os dois realmente são ótimos atuando junto, pois depois da serie eles já aturam juntos, não como irmãos, mas como parceiros, nas series: Flash e DC’s Legends of Tomorrow.

5 motivos para fazer uma Maratona de Prison Break

MICHAEL SCOFIELD

Scofield é com certeza um dos melhores personagens já criados nas series. Eu sei que tem uma lista incrível de personagens bons em series e filmes, mas pra mim, ele com certeza entra fácil em uma lista de 10 melhores. Toda a forma como escreveram o personagem e o jeito que ele vê as coisa, a genialidade que envolve tudo que ele cria, cada plano, é incrível de assistir. Michael é um personagem cheio de empatia, isso o torna ele ainda mais extraordinário, porque vemos a faceta de decodifica as coisas e ao mesmo tempo sofrer por fazer em um ambiente onde isso beneficiara pessoas ruins.

5 motivos para fazer uma Maratona de Prison Break

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO

De inicio a serie é só sobre um irmão que tenta salvar o outro da cadeira elétrica, mas a cada episodio a gente vai percebendo que existe diversas questões politicas envolvendo a prisão de Lincoln e de repente a gente está totalmente pego nessa teia tentando desvendar toda a trama junto com os personagens. Então se você gosta de tramas cheia de interesses políticos, conspirações, agentes secreto, queima de arquivo e muito segredo, com certeza vai gostar dessa.

5 motivos para fazer uma Maratona de Prison Break

DIVERSOS “VILÕES”

Prison Break é um seriado que tem como principal cenário uma prisão, então é bastante obvio que iriamos ter diversos “vilões”, diversos personagens que estão presos e realmente merecem estar ali. Então a serie é repleta de personagens que fizeram e farão coisas horríveis, e eu considero isso uma das coisas que motivam a ver a serie porque ela vai mostrar diversas faces da maldade humana. Em um momento o vilão estará sendo o herói por causa de um “vilão pior”, mas no próximo episodio você já vai perceber que nesse seriado não se deve confiar em nada e em ninguém.

PRA QUEM JÁ ASSISTIU: 
Vocês sabem, faz um bom tempo que essa serie terminou, e até pra quem viu nos últimos anos, a serie é cheia de detalhes, segredos, reviravoltas… Então é normal esquecer muitas coisas, e acho que com a nova temporada vale a pena rever tudo para que cada detalhe fique “fresquinho” na cabeça.

Então gente, espero ter conseguido mostrar, pelo menos um pouquinho do quanto essa serie é maravilhosa. Xoxo.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

21 de mar 2017

Iron Fist (no Brasil, Punho de Ferro), estreou na sexta-feita (dia 17) na Netflix e eu já maratonei a serie para contar pra vocês tudo que achei sobre ela. Mentira, eu sou viciada em Marvel e iria assistir de qualquer forma mesmo, só to usando isso como desculpa.

Na série vamos conhecer Daniel Rand, o herdeiro da fortuna das Indústrias Rayne, que após um acidente de avião no Himalaia, que matou seus pais, Wendell e Heather Rand, foi dado como morto por 15 anos. Mas Danny foi salvo e viveu todo esse tempo na cidade mística de K’un-Lun, uma das Sete Capitais do Céu. Lá, Danny aprendeu a canalizar o seu chi e se tornou o Punho de Ferro.  A série começa com a sua volta a Nova York para recuperar a empresa do seu pai, a dificuldade em provar quem ele realmente é, e a missão de derrotar o inimigo declarado do Punho de Ferro, o Tentáculo.

Para quem não conhece nada do universo Marvel, e eu não estou me referindo as HQs (não vou comparar série e HQ), mas sim as séries e filmes, pode perder bastante referencias, principalmente a Demolidor e Jessica Jones, e essa foi uma das coisas mais legais de Punho de Ferro, a quantidade de referencias que a série fez aos outros “heróis”, que junto com ele, formaram os Defensores, pois só me deixou ainda mais ansiosa para ver todos juntos.

collen punho de ferro

Punho de Ferro não foi a melhor série da Marvel, ela com certeza tem alguns pontos positivos, como por exemplo a personagem Colleen Wing, que com certeza foi o melhor acerto da série com relação aos personagens. É uma personagem feminina forte, uma lutadora incrível e uma personagem muito bem construída quando o assunto é rumo, proposito e carga emocional. Com relação as outras atuações considero todas bastante medianas, inclusive a do Finn Jones, que interpretou o Punho de Ferro.

Com relação ao lado mistico, principalmente os poderes, vamos ver poucas coisas, mas esse é o proposito da série, não ser uma série sobre a origem. O que vamos ver é uma rápida explicação do que é o poder do punho de ferro, algumas poucas cenas do Danny descobrindo algo novo no seu poder e alguns flashbacks (mais no final da série) que mostram K’un-Lun. No geral eu considero que isso foi um ponto positivo, pois a série já teve um pouco de dificuldade de se desenrolar, se tivesse tentando abranger, também, muitas questões de origem do personagem ou dos seus poderes, isso teria sido bem pior.

punho de ferro lutando

As cenas de lutas seguiram um pouco abaixo das outras séries da Marvel também. E quando tivemos uma boa cena, acabou sendo um pouco que “mais do mesmo” do que já vi, principalmente, em Demolidor.

Depois de tudo isso você deve estar se perguntando se vale a pena ver a série, e sim, com todos os seus defeitos com certeza vale a pena maratonar a série principalmente por duas razões: Se você planeja assistir Os Defensores e se você vem acompanhando as outras séries da Netflix em parceria com a Marvel e ficou curioso para ver um pouco mais sobre o Tentáculo nas telas. Agora se você não curtiu muito as outras que a Marvel já lançou, talvez essa também não vá te agradar, pois entre elas, essa não é a melhor.

E ai, vai assistir ou já assistiu? Me conta lá nos comentários. xoxo :*

Crédito: O site Adoro Cinema foi usado para ajudar na composição da sinopse. 

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

16 de dez 2016

Sabe aquela série que parece te dar um tapa na cara enquanto você assiste, que te deixa pensando por dias, tentando compreender direito o que diabos aconteceu ali e como aquilo se aplica na sua vida?
O titulo desse post poderia ser “Séries disruptivas”.

Todos os anos alguma tendência aparece e todas as super produções do ano meio que se inspiram nela, tivemos os vampiros, os filmes de fim do mundo (2012 feeling’s), anjos, atividades paranormais, soft porn (50 tons e semelhantes), entre outras. A tendência agora são as séries mega malucas e diferentonas que fazem a gente pensar, além de finalmente termos entrado do território das dimensões alternativas.

Vou dar meu breve ponto de vista sobre cada uma das séries e deixar os trailers, para que vocês decidam por si só se querem assistir.

The OA

Essa série lançou hoje no Netflix e eu já estava esperando por ela, desde o trailer fiquei intrigada e nesse momento, enquanto escrevo esse post, estou maratonando. A história começa com uma moça pulando de uma ponte, ela sobrevive e é descoberto que ela era uma moça que havia desaparecido a 7 anos. Nem sei ao certo explicar sobre o que é essa série, recomendo assistir sem saber nada sobre, não consigo parar de me surpreender.

Black Mirror

Essa série na verdade não começou em 2016, mas se tornou hipe esse ano, tanto que a expressão “isso é tão Black Mirror” não para de ser repretida. Cada episódio tem uma temática, personagens diferentes e problematizações sobre tecnologia, o presente o futuro.

Stranger Things

Outro hipe desse ano, foi Stranger Things, e já falei a respeito em vídeo no canal, que as outras dimensões acabariam trazendo mais séries do tipo.
Stranger Things conta a história do desaparecimento de Will e da busca de seus amigos por ele, claro que isso é o básico e tem muito mais por trás disso. A ambientação aos anos 80 é fantástica e os atores sensacionais. ♥

Westworld

Ainda estou no começo de Westworld, tentando compreender do que se trata, mas é tão disruptiva quando Black Mirror. Resumindo um parque de temático para adultos, que aparenta ser extremamente real, com pessoas que sangram, sentem, morrem e são reformadas, mas vai tão além disso que ainda estou tentando entender.

Mr. Robot

Ainda não assisti essa série, ela também não começou em 2016, mas tem o mesmo perfil subversivo, fiquem com o trailer, um dia volto para falar mais sobre ela, também foi destaque esse ano.

Ps: Provavelmente serei obrigada a fazer um post ou vídeo sobre The OA, porque tem coisa demais nessa série, meu Deus.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 1 de 212
 
ir ao topo