18 de abr 2017

Sabe aqueles filmes que são tão bons que merecem ser vistos por todo mundo? Eu tenho uma lista imensa de filmes assim e por isso resolvi criar uma serie de posts aqui para compartilhar eles com vocês. Agora, todo mês terá um post com indicações de filmes incríveis que talvez você ainda não tenha visto. Vou buscar sempre indicar três filmes por vez, assim consigo falar um pouco sobre eles e o post não fica cansativo.

Para esse primeiro post escolhi três filmes que tem uma coisa em comum (além de estarem na minha lista de favoritos, claro), todos trazem criticas sociais, sejam elas explicitas ou implícitas.

Réquiem para um Sonho

Requiem para um sonho

Réquiem para um Sonho é um daqueles filmes que não fácil de assistir, mas que com certeza vale a pena. Nele vamos acompanhar, principalmente, a historia de três personagens que lidam com diferentes tipos de vícios. Harry Goldfarb (Jared Leto) e Marion Silver (Jennifer Connelly), um casal apaixonado, que tem como sonho montar um pequeno negócio e viverem felizes para sempre, porem são viciados em heroína. E Sara (Ellen Burstyn), a mãe de Harry, que durante o processo de emagrecimento acaba viciada em pilulas para emagrecer. O filme vai mostrar como o vicio, seja ele qual for, pode destruir vidas e relações. É um filme incrível, com um roteiro super complexo e bem estruturado, que trabalhou muito bem as tragédias e as relações entre os personagens.

Meninos Não Choram

Meninos não choram

Meninos Não Choram é um filme baseado em fatos reais e conta a história de Brandon Teena, um garoto transexual. O filme começa em meados de 1993, mostrando as dificuldades de Brandon para legitimar sua identidade e os preconceitos que sofre, situações que o levam a se mudar de Lincoln, sua cidade natal, para Falls City, região de Nebraska. Nessa cidade Brandon vai fazer amizades, viver um romance com Lana Tisdel e também sofrer diversas violências quando sua transexualidade é revelada.

O filme é bastante “pesado” e já aviso que tem cena de violência sexual, então pra quem isso é um gatilho, é bom saber antes de assistir. Eu realmente passei muito mal com a cena, pois ela é bastante perturbadora. Mas, é um filme incrível, principalmente para que se possa entender o nível de violência que as pessoas LGBT sofrem.

Na Natureza Selvagem

 Na natureza selvagem

Na Natureza Selvagem conta a historia de Christopher McCandless (Emile Hirsch), um jovem recém-formado, que decide viajar sem rumo pelos Estados Unidos em busca da liberdade. Durante sua jornada pela Dakota do Sul, Arizona e Califórnia ele conhece pessoas que mudam sua vida e sua forma de ver o mundo, assim como sua presença também modifica as delas. Até que, após 2 anos na estrada, Christopher decide fazer a maior das viagens e partir rumo ao Alasca, onde vai realmente explorar os desafios da natureza e de viver isolado da sociedade. Apesar de ser um filme que ainda tem vários clichês hollywoodiano com relação a construção do personagem, o filme é muito bom para fazer a gente repensar, principalmente, os nossos hábitos de consumo. A trilha sonora também merece muito destaque, pois se encaixou perfeitamente, deixando muitas cenas dramáticas ainda melhor.

Então, já assistiu algum dos filmes? Me conta nos comentários, e também indica pra gente aquele filme que você acha incrível e que merece ser visto por todos. Xoxo :*

Créditos: O site filmow foi usado para ajudar na composição das sinopses.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

14 de mar 2017

Hey pessoas, aqui é a Bia, nova colaboradora do blog para a categoria TV e Cinema, e para o meu primeiro post eu resolvi trazer para vocês uma pequena listinha de documentários que podem ajudar a entender o movimento feminista é a importância dele na nossa sociedade. Escolhi falar um pouco sobre essa temática por duas razões principais:

1ª: Dia oito foi o dia das mulheres e considero que é uma época bastante importante para a gente pensar o quanto ser mulher significa ser um ser de luta. Luta por espaço, por voz, por direitos…
2ª: Até hoje o feminismo é um assunto que incomoda muita gente, principalmente pela grande quantidade de “desinformação” que circula na internet, então considero de extrema importância a gente buscar e mostrar materiais que possam desconstruir isso. E acredito que esses documentários podem ajudar.

Agora chega de razões do porque desse post e vamos a lista, ela não é muito grande pois não é tão fácil encontrar documentários sobre mulheres ou temas da nossa vivencia. Aquela coisinha chamada representatividade já tá em falta nos filmes/séries, imagina nos documentários.

THE HUNTING GROUND

Um dos documentários que aborda, na minha opinião, uma das maiores lutas do movimento feminista e um dos maiores problemas sociais que a gente tem no mundo, a cultura do estupro. O foco do documentário é mostrar, através do relato de alguns vitimas, os inúmeros casos de estupro nas universidades americanas. Mesmo que a nossa realidade seja um pouco diferente, eu acredito que a grande questão ao assistir esse documentário é que ele mostra como a cultura do estupro é algo que está internalizado na nossa sociedade. Como é comum culpabilizar a vitima e esconder o que aconteceu. Além disso, ele também aborda uma outra questão bastante importante ao discutir essa temática, que nem sempre o agressor será alguém que a gente não conhece, pode ser alguém da família, alguém que estuda na sua sala, enfim, alguém que é da sua convivência social.

Uma curiosidade é que a cantora Lady Gaga foi quem produziu a musica tema e a musica, inclusive, foi indicada ao Oscar. Ela abraçou o projeto pois foi estuprada enquanto estava na universidade, então a apresentação da musica para a cerimonia também é bastante emocionante, recomendo vocês assistirem depois do documentário.

Ah! O documentário está disponível na Netflix.

CLANDESTINAS

O aborto ainda é considero crime no Brasil, mas isso não impede que ele seja realizado. E esse documentário vai relatar exatamente isso, historia de mulheres que, por diferentes motivos, já realizaram um aborto. É um documentário incrível e emocionante que com os seus vinte e poucos minutos de duração consegue quebrar muitos preconceitos.

Ele está disponível no youtube gratuitamente, então vou deixar o vídeo aqui para vocês.

SHE’S BEAUTIFUL WHEN SHE’S ANGRY

E claro, não poderia deixar de fora dessa lista um documentário que falasse um pouco sobre a historia do movimento. Esse é um documentário que eu já adoro desde o seu titulo, She’s Beautiful When She’s Angry (ela é linda quando está brava), que é super provocador. Nele vamos conhecer um pouco da luta das mulheres contra o feminicídio, estupro, aborto nos anos de 1966 a 1971. Mas, pra mim, as duas grande questões dele é que:
1. Mostrar grandes mulheres que lutaram para que hoje pudêssemos estar aqui falando de questões tão importantes da vida das mulheres e 2. Dá um choque ao mostrar como algumas questões ainda são tão atuais.

O documentário é realmente muito bom, pois também mostra que uma luta sempre está atrelada a outra quando faz o recorte para questões das mulheres negras e das mulheres lésbicas.

Ah! E esse também está disponível na netflix.

Então é isso, espero que vocês tenham gostado e não deixem de me contar nos comentários qual ficou mais interessado em ver ou se já viu algum. xoxo :*

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

14 de jul 2015

pulse
Eu assisto muuitos filmes de terror e suspense e quando todos os bons parecem ter acabado, fico angustiada por não ter mais nada para assistir, é péssimo. Para que vocês não tenham que se sentir assim, gosto que sempre tenham posts de filmes aqui, por isso eu e Patê estamos aqui sempre indicando.

Percebi que nem todos os filmes de terror que vi, postei aqui. Fiz uma seleção de alguns menos piores, hahaha, pois sabemos que terror é uma questão de gosto.

Pulse


E jurava que já tinha indicado esse filme aqui, por causa da Kristen Bell(Veronica Mars) e do Ian Somerhalder (Damon), não tem como ele ser menos querido para mim. Não consegui assistir ele tantas vezes quanto gostaria, por que o terror envolve computadores e internet e para quem, como eu, passa o dia inteiro conectado, é meio difícil não se borrar.

Insidious 3 (Sobrenatural)


Insidious tem um bom historico com os filmes anteriores, os outros dois também me fizeram gritar de susto. Porém, desde o segundo eles vem tentando inserir uma parte cômica no filme, com caça fantasmas meio goofy, que pra mim dão uma estragada. Isso não tira o mérito do filme, eles conseguem dar um jeitinho de fazer criar histórias que ainda não passaram por outros filmes de terror, o que é bem difícil. Até hoje não sei se entendi a história, sério, Insidious ainda me deixa meio confusa, mas ok.

Hide and Seek (O amigo oculto)


Esse filme tem uma coisa muuito importante! Fantasmas? demonios? monstros? Não, Dakota Fanning (Cherry Bomb/Jane de Crepúsculo) quando ainda era criança. Fala se a Dake não era ligeiramente assustadora quando pequena? Gostei muito do filme, ele é bem puxado para o suspense.

The woman in black 1 & 2 (A mulher de preto)


O primeiro filme ficou conhecido por causa do Daniel Hadcliffe (Harry Potter) e muita gente detestou. Eu ameei o filme, me assustei pra caramba, ainda me assunto se assistir novamente no escuro, a trilha e o timing do filme são muito bons, as horas de “Meu deus, vai acontecer alguma coisa agora” muito bem marcadas.

Já no segundo filme eles procuraram adicionar uma história para que o mesmo não ficasse vazio. Em alguns momentos lembrou o episódio Bloody Mary de Supernatural, pois ‘A mulher de preto’ não pode ser vista sem que alguem morra, ou algo do tipo. Me assustei bem menos e me pareceu mais suspense do que terror.

Haunter (Assombrada pelo passado)


Esse filme é bem suspense, mal posso falar sobre ele sem dar spoiler. O filme é com a Abigail Breslin (Little Miss Sunshine), e bem psicológico, vale a pena assistir.

The Possession (Possessão)


Esse filme não é um terror de susto, pelo menos eu não me assustei de gritar nenhuma vez, só fiquei tensa mesmo. Tem o Jeffrey Dean Morgan (John Winchester) e envolve possessão e uma caixa maligna, hahaha.

Nothing left to fear (Boca do inferno)


Desde o começo tá na cara que tem alguma coisa errada, tipo tudo, hahaha. O filme quase te entrega a história, o que não te impede de se assustar. O filme foi produzido pelo Slash (sim, o cara da guitarra do Guns – considerado um dos maiores guitarristas do mundo) e tem uma música tema (Nothing left to fear), composta por ele como tema.

Grave Encounters (Fenômenos Paranormais)


Para falar a verdade esse filme é bem besta, bem daquele que ficamos “MAS POR QUE VOCÊS ESTÃO FAZENDO ISSO?”. Tem sustinho e fantasma e eu assisti o 1 e o 2, recomendo apenas o 1. Tem toda uma coisa de tempo e becos sem saída, que me lembrou Silent Hill, provavelmente foi inspirado no filme.

The Lazarus Effect (Renascida do Inferno)


Esse filme é meio diferente, fiquei quase até o fim tentando entender se era de possessão, demônio ou zumbi. Assisti principalmente por ter a Olivia Hilde (A 13 de House) e não me arrependi, gostei.

Espero que ajude vocês a se angustiarem com os filmes, hahaha. Beijo, não olhe para trás.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 1 de 41234
 
ir ao topo