30 de out 2014

2

O tema sugerido para esse post é “Abrasileirando o Halloween”. Esse foi o tema da postagem coletiva do grupo InterAção esse mês, com a intenção de trazer um pouquinho mais do halloween para a nossa cultura ou como eu acho que seja o caso, mostrar que esse preconceito de achar que quem gosta é paga pau de gringo, não tá com nada.

Tempos atrás as coisas consideradas de terror eram realmente temidas, hoje em dia tudo foi romantizado e é encarado de maneira muito mais light. Porém, algumas pessoas, ainda julgam que a temática terror atrai coisas negativas ou tem tanto medo que além de não querer ver, dizem odiar, transformando uma coisa que deveria ser questão de gosto em algo errado.

Também temos as pessoas que odeiam o Halloween e defendem o dia do Saci, por dizerem que faz parte de outra cultura e que quem o segue está “pagando pau” de uma cultura que nem sequer é sua. Na minha opinião é outro exemplo de mente estreita, acho que todos podem aproveitar e conhecer todas as culturas e até devem.

Por esse motivo gostei tanto do tema da postagem, vamos amarrar mais ainda nosso laço com o Halloween.

1

Essa mini abóbora custou super barato (não lembro quanto), coloquei uma parte do meu pisca pisca dentro para dar um charme.

4

Fiz essas plaquinhas, desenhei com giz de lousa e pendurei como um mini varal na minha estante.

image

SAMSUNG CSC

Esses são todos os livros que eu tenho com a temática “halloween”. Entre histórias de terror, vampiros, bruxos, demônios, fantasmas, lobisomens e até a própria morte. Para quem estiver interessado em contos de terror recomendo o “A Dama-Morcega” e também “Formaturas Infernas” e de fora dessa pilha (ainda não tenho a versão física) o “Branca dos mortos e os sete zumbis”.

3

Como essa é minha data comemorativa favorita e gosto bastante de suspense e terror tem bastante coisa nessa temática no blog, links abaixo:

 

Posts soturnos desse mês (Outubro/2014):

4 Filmes de terror que assisti em 2014

6 on 6 de Outubro

Cidade Matarazzo – Feito por Brasileiros

 

Outros posts de terror aqui no blog:

Fantasmas reais (?)

Slender & Bloody Mary

The Bell Witch

Os Warren

Sobre filmes de terror

 

Tutoriais de decoração, fantasias e receitas de Halloween:

15 DIY Halloween Garland

Halloween Party Food

15 Halooween Decorations

22 Halloween Decorations

61 Halloween Costumes Ideas

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

01 de nov 2013

AHA! Finalmente Halloween, não pera… Passei direto por causa do trabalho, mas ok.
O post de hoje será breve apesar da quantidade incrível de conteúdo na internet sobre o assunto. Vou falar sobre duas lendas urbanas.

Slender man

A lenda de Slender man, fala de um homem alto, sem face, de terno (alguns dizem que é uma roupa de coveiro) com braços e perna muito longos, também comparados com tentáculos. Dizem até que de suas costas saem vários braços extras que o permitem andar como uma aranha.

Costuma ser “visto” junto a florestas ao lado das árvores, onde consegue se camuflar facilmente por causa de seus membros longos ou em fotos de crianças, tiradas logo antes de desaparecerem para sempre.
Entre suas habilidades dizem que é capaz de se teletransportar e causar amnésia em pessoas que o tenham visto.
A verdade: A origem da lenda do Slender
man veio de um concurso em um fórum
chamado Something Awful em 2009, em
que a pessoa tinha que manipular uma
imagem, inventar uma história e espalhar
em fóruns e grupos, com o objetivo
de fazer o maior número de pessoas
acreditar.
O nome do cara era Victor Surge foi o autor de duas fotos em preto e branco e nem preciso dizer que funcionou, não é?

Bloody mary

Bloody Mary é a mais conhecida das lendas urbanas, você pode conhecê-la por filmes e series ou até mesmo como uma das diversas variações que existem. A bruxa do espelho, a loira do banheiro, a mulher de branco, essa lenda tem tantas variações, que até os jeitos de invocação variam (algumas incluindo pulinhos, batidas na porta e dar a descarga três vezes, por exemplo).

Na lenda oficial diz que se você chamar três vezes pelo nome de Bloody Mary em frente a um espelho ela aparece e rouba seus olhos (ou distorce sua cara, mas enfim, você morre)
Há várias supostas versões da história oficial e ainda assim ninguém sabe se ela era uma bruxa, uma mulher assassinada pelo namorado por ciúme ou uma história inventada a muito tempo e contada de diversas formas ao longo dos anos.
Como saber?
Vá até a frente de um espelho e diga 3 vezes Bloody Mary, se não morrer volte e me conte como foi.
PS: tenha bons sonhos.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

30 de out 2013

Eu pretendia ter feito mais posts de terror, mas infelizmente não pude. Então farei esse as pressas.

Há quem não considere o tema zumbis como terror e mesmo quem hoje em dia sonhe com um apocalipse. Isso devido ao grande número de séries, jogos, filmes e livros criados.
Assim como os vampiros, os zumbis foram popularizados, porém, a constante comparação com nossa realidade atual e a forma com que o “futuro apocalipse zumbi” é apresentado, nos faz questionar se o rumo que estamos tomando não seria o mesmo.
O Protocolo Bluehand – Zumbis

 

Estava louca por esse livro desde que fiquei sabendo do mesmo (ano passado), adiei por um tempo esperando que barateasse e acabei por comprar agora.
O Bluehand é um guia de sobrevivência contra zumbis, escrito pelos brasileiros Fábio Yabu, Alexandre Otoni e Deive Passos (A galera do jovem nerd que antes disso que também lançou o Protocolo Bluehand : Alienígenas e outros dois livros que podem ser encontrados na Nerdstore) e ilustrado pelo Márcio L. Castro.
O protocolo nos apresenta várias formas possíveis de contágio, e explica de onde o vírus poderia ter surgido. O livro trabalha a ideia de que o apocalipse zumbi já está rolando por debaixo dos panos e os governos abafam as notícias para não gerar o pânico e situações de estresse que podem levar a um surto.
Como não terminei de ler ainda, não contarei mais nada para que possam se surpreender, assim como eu, mas sei que tenho pela frente dicas de quais armas usar, quais os melhores lugares para me esconder e que rotas de fugas tomar.

Só comentando, o livro te ensina também como identificar zumbis em potencial, nem preciso dizer o quanto ri quando li que os publicitários estão entre os primeiros.

No hotsite do livro tem mais informações, além de 27 páginas do livro. Divirta-se!

ps: Tem Zombie Walk SP no sábado, quem vai?

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 3 de 41234
 
ir ao topo