27 de abr 2020

Há muito tempo não me deixo expressar sentimento por certas coisas. Coisas que aprecio e amo, que sinto mais do que todo o resto das coisas, mas não deixo sair. Não sei explicar de outra forma que não poesia, é abstrato, como se cada uma dessas coisas formasse a melodia de uma canção que não pode ser cantada. Um segredo, que todo mundo sabe, mas quase ninguém diz.
Alguns momentos, ações e lugares despertam essas coisas, como o vento batendo nas árvores, um elogio despropositado, a expressão em conjunto de um movimento que ninguém planejou, a música certa quecomeçar a tocar no momento certo, ou girar, descalça, num vestido bordado.
Não falo porque não tem volta, não pode ser retirado ou desmentido, eu vou saber. Uma vez contato, tudo pode danificar, distorcer, transformar em feio. Uma vez manchada uma tela em branco, ainda que pintemos por cima da cor original, ela não é a mesma.
Mas quem diabos quer uma sala cheia de objetos imaculados, sem uso ou propósito. Não eu, não mais. E se o destino for o ridículo, que seja.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

26 de abr 2020

Tem sido cada dia mais difícil conviver com a incerteza, ou melhor, conviver com a certeza do incerto. Nada de tranquilizador pode vir de uma certeza.

É o silencio antes da catástrofe, aquela pausa pra se pensar que está quieto demais.

Há muitos anos os pensamentos já não me invadiam antes do sono, não havia tempo a ser gasto com isso. Dormir era uma transação que precisava ser efetuada pra manter o funcionamento da firma, rolar na cama não cabia.

São 4 da manhã e parece corriqueiro estar escrevendo um texto e pensando se alguém se preocupará em lê-lo.
Quando todos os dias se tornaram Sábado, as datas perderam o sentido, sendo lembradas apenas para lamentar um boleto ou aniversário à não ser comemorado. Me pego começando a duvidar se aqueles de quem discordo não estão certos, se o que vai nos restar será o bastante.
Hoje me perguntaram se eu gosto de quem eu sou, respondi que sim, mas que gostaria de ter feito mais coisas. Quase que imediatamente percebi que tendo feito mais, feito outras coisas, também seria outra pessoa, meu molde já seria outro. E já não tenho como saber se gostaria desse eu.

Buscamos em testes e mapas, migalhas de pão que nos digam o caminho de onde viemos, pra pensar então qual direção devemos tomar, esses por sua vez foram desenhados por babuínos cegos loucos de ácido ou impressos em borra de chá, mas a sugestão do acaso ainda é mais reconfortante do que a decisão crua de nossas mentes.
O que eu faço? Devo? Qual o risco? Vale a pena?
Silêncio

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

28 de jan 2019

15/01

Se tem uma coisa que é uma dificuldade na minha vida é demonstrar sentimentos por pessoas, com coisas é tão fácil, sinto tanto por objetos e musicas e filmes, me desfaço em emoção, provavelmente por saber que essas coisas não tem poder sobre mim. Mesmo que eu me decepcione com uma série, ela não vai me destruir pessoalmente, diretamente, não vai pular da tela e me pegar, eu posso disser que a amo, sem sofrer consequências graves.

Mas como diabo eu posso dizer isso a uma pessoa, seja amigo ou relacionamento amoroso VOU TERMINAR ESSE TEXTO DEPOIS PORQUE NÃO SEI DO QUE TO FALANDO

28/01

Oi!

Acabo de encontrar esse texto aqui no blog e olha que coisa. Não que eu tenha mudado algo, continuo com dificuldade para expressar sentimentos, mas a decisão de parar de falar em um momento em que eu estava claramente ansiosa.

Um tempo atrás havia descoberto essa técnica incrível para não entrar em discussões no Facebook. Sempre que eu lia algo que discordava, qualquer tipo de coisa infundada ou sem sentido que sabia que se entrasse em debate, não levaria a lugar algum (ou apenas ao reino da frustração), escrevia a resposta que estava pensando e, ao invés de pressionar enviar e liberar o inferno na terra, apagava.

Por consequência acabei me afastando da rede social e do ódio que se propaga na mesma, voltando apenas em períodos eleitorais onde posso esquecer tudo isso acima e soltar meus cachorros onde acho que vale a pena.

As vezes se poupar é mais saudável.

Look das fotos: Macaquinho jeans da feira de brechós na bresser, camiseta + sustentável da C&A, Oxford da Via Uno, Mochila da Oumai.

Look ilustrado:

Carly versão Xuxa

palavras chave: mulheres jeans short

Esse post contém publicidade.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 1 de 6123456
 
ir ao topo