07 de nov 2014

image

Procura-se uma surpresa boa, daquelas que se leem nos livros, de tirar o fôlego, de mudar vidas.
Procura-se uma mudança significante, para tirar da rotina e mostrar que podemos mais, ainda que achemos não merecer.
Procura-se pessoas que ainda acreditam no diferente e em que agir fora do normal é, por vezes, muito mais interessante.
Procura-se a excitação do ganhar algo novo, mas que dure muito mais que qualquer objeto.
A adrenalina que faz as coisas se moverem em câmera lenta.
A coragem para voar, pular do balanço, sem se segurar em nada, sabendo que com certeza vai doer no fim, mas aproveitando o momento em que seu corpo ficou suspenso no ar.
A escapada no meio da noite para ir a praia ver o sol nascer.
O grito dado para o mundo, do alto da montanha. A viajem de moto sem destino, apenas seguindo o vento. Procura-se pessoas que façam ninguém perceber o passar do tempo.

Procura-se.

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

04 de out 2014

ifistay

Assisti o ‘Se eu ficar (If i stay)’ antes de ler o livro, talvez isso tenha influenciado na minha opinião, mas essa foi uma das poucas vezes, que eu gostei tanto do filme quanto do livro. Vou mostrar o trailer, a sinopse do livro e a minha opinião, para ver se vocês se interessam.

Livro: Se eu ficar (If i stay)

Autor: Gayle Forman

Editora: Novo Conceito
ISBN: 9788581635415
Número de páginas: 224

Sinopse: Depois do acidente, ela ainda consegue ouvir a música. Ela vê o seu corpo sendo tirado dos destroços do carro de seus pais – mas não sente nada. Tudo o que ela pode fazer é assistir aos esforços dos médicos para salvar sua vida, enquanto seus amigos e parentes aguardam na sala de espera… e o seu amor luta para ficar ao seu lado. Pelas próximas 24 horas, Mia precisa compreender o que aconteceu antes do acidente – e também o que aconteceu depois. Ela sabe que precisa fazer a escolha mais difícil de todas.

Trailer:

Se você ainda não leu o livro ou viu o filme pode ficar tranquilo, não vou revelar mais do que o próprio trailer do filme revela, afinal o grande conflito da história é: Ela vai ficar ou não?
Li pelo Kindle a versão digital e apesar de não poder fazer considerações sobre o formato físico, uma coisa eu posso afirmar:
Esse não é o tipo de livro que você se perde e precisa voltar páginas, para entender o que está acontecendo. Você fica tão absorto enquanto Mia relata pequenos momentos de sua vida, que nos liga a sua família, de forma que ela passa a ser um pouco nossa (Se eu pudesse adotaria seus pais e irmão).
Para quem gosta de instrumentos músicais, no livro Mia descreve diversas vezes como se sente ao tocar e ouvir, cita obras diversas e termos técnicos com o que nem todo mundo está familiarizado. Como podem ver no trailer o instrumento músical que ela toca é o violoncelo, meu favorito. <3

No filme a relação dela com o namorado é mais conturbada que no livro, imagino que foi uma forma de criar mais conflitos para a história, fiquei feliz em não lê-los no livro. Há também uma amenização do acidente, a parte mais chocante da história, as cenas do filme são mais suaves.

Você teria motivos o bastante para querer ficar?
O romance do filme não tem o mimimi cansativo que outros filmes teriam, o foco não é esse.
Ambos, filme e livro, são muito emocionantes, chorei demais com as situações. É fácil se colocar no lugar de Mia, pensar na sua vida virando de pernas para o ar e se imaginar perdendo tudo de uma hora para outra. Isso sempre nos faz pensar nas reclamações bobas do dia a dia e que deveriamos dar mais valor a cada momento com as pessoas de quem gostamos.

Muito surpresa, descobri ao final um capítulo para o próximo livro da série, pois é, eu nem sabia que os livros eram uma série, o nome do segundo livro é “Para onde ela foi” e já está em pré-venda.

Caso queiram comprar o livro, está com desconto no submarino.
E ai, gostou? Já leu/assistiu ‘Se eu ficar’?

Esse post não foi patrocinado

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

05 de set 2014

Aproveitei que minha amiga Patricia me indicou para o desafio ​#Stopbeautymadness no mesmo dia​ em​ que os temas do Rotaroots foram divulgados e resolvi fazer de vez o post.

Na verdade não me importei muito em tirar essa foto, não é vergonha sair numa foto de cara limpa.
Esse projeto é uma forma realmente eficaz (na minha opinião) de fazer com que as pessoas acordem para a real beleza de cada um e desencanem do padrão das revistas, passarelas e afins.
Qual a graça de estar montada o tempo todo se, ao natural, você não se sente bem?
Antes de qualquer roupa da moda, qualquer maquiagem cara e bem feita, vem o conforto e a necessidade.
​Eu vejo as meninas hoje em dia, novinhas​ e ​com pele de beb​ê, se enchendo de produtos que elas nem sequer precisam, acelerando o envelhecimento​ à​ ​toa.
Pessoalmente​, ​não uso ​muita ​maquiagem​. L​ápis, rímel​ e ​batom, por ora está bom. Pretendo usar quando chegar a hora? Sim, mas não vou deixar de pensar primeiro no meu bem estar.
Faça pelas razões certas e o mais importante, faça por você e não porque viu uma blogueira, modelo, atriz​, ​etc, fazendo.
As pessoas não dizem que as mulheres se vestem e se maquiam pelo que as mulheres vão achar e não pelos homens? Portanto nada mais justo do que nós falando para nós mesmas.
Sinta​-se ​bem com você mesmo! Há muito mais na vida para se preocupar.
Existe sim beleza natural e não faz mal algum mostrá-la ;)

 

Acompanhe o blog também nas redes sociais:  Facebook InstagramTwitter

Página 5 de 6123456
 
ir ao topo